Só 1% dos contribuintes moçambicanos paga impostos

A percentagem de contribuintes que pagam impostos baixa para 0,5% entre a população ativa

Apenas 40 mil contribuintes dos quatro milhões registados no sistema fiscal de Moçambique pagam impostos, um por cento do total, segundo dados da Autoridade Tributária avançados esta segunda-feira na imprensa local.

A presidente da Autoridade Tributária, Amélia Nakhare, citada hoje no jornal Notícias, referiu que a percentagem de contribuintes que pagam impostos baixa para 0,5% entre a população ativa.

Alertando que o Orçamento do Estado moçambicano ainda depende em cerca de 30% da ajuda externa, Amélia Nakhare salientou a a urgência de aumentar as receitas internas.

Num estudo da Autoridade Tributária citado no jornal, indica-se que o Imposto sobre o Valor acrescentado precisa de 19 anos para atingir a estabilidade, prazo que baixa para os 13 no Imposto sobre o Rendimento sobre Pessoas Coletivas e para sete no Imposto sobre Pessoas Singulares.

A economia moçambicana enfrenta várias ameaças, com uma forte desvalorização do metical face ao dólar, escassez de divisas e perspetivas de aumento de inflação, e a presidente da Autoridade Tributária e ex-vice-ministra das Finanças reforçou os apelos do Governo no sentido de se aumentar a produção interna para reduzir a dependência do exterior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.