Situação pode depender do Podemos de Pablo Iglesias, diz especialista

Académico português analisa evolução das relações entre Espanha e a Catalunha. onde este mês se realizam eleições autonómicas.

O especialista em Relações Internacionais Felipe Vasconcelos Romão considerou esta terça-feira que as eleições autonómicas da Catalunha, este mês, podem resultar numa extensão da intervenção de Madrid sobre a região, caso o Podemos ajude os independentistas a formar maioria.

"Podemos estar a caminho de uma extensão do 155 [número do artigo da Constituição espanhola que permite a suspensão da autonomia] em 2018, para lá destas eleições. Julgo que o Podemos [esquerda radical, liderado por Pablo Iglesias] pode ter um posição muito importante neste enquadramento", disse à agência Lusa o especialista, que na quinta-feira lança o livro "Espanha e Catalunha: Choque de Nacionalismos".

Felipe Vasconcelos, professor de Relações Internacionais da Universidade Autónoma de Lisboa (UAL) e do ISCTE, considera que uma das principais incógnitas políticas na Catalunha - onde alguns partidos nacionalistas declararam a independência unilateral, depois de inviabilizada por ação do Governo central em Madrid, advém do facto de não existir "uma maioria social" a favor desse movimento.

"Estamos perante a ausência de uma maioria social clara e ampla a favor da independência na Catalunha. (...) Por muitas contas que façamos, neste momento o nacionalismo/independentismo não chega sequer aos 50%", explicou o professor.

O Governo espanhol suspendeu, de forma inédita, a autonomia política da Catalunha na sequência da declaração unilateral de independência da região por parte do então presidente regional Carles Puigdemont e do parlamento regional, demitindo todo o governo regional e convocando eleições autonómicas para 21 de dezembro.

No entanto, as sondagens indicam dificuldades de ambos os campos - independentistas catalães e constitucionalistas (pró-unidade de Espanha) - em obter maiorias claras num cenário pós-eleitoral.

As sondagens indicam o partido de centro-direita Ciutadans (liderado na Catalunha por Inês Arrimadas) e os independentistas de esquerda (Esquerra Republicana Catalana, de Oriol Junqueras) na liderança, quase empatados nas intenções de voto, seguidos da plataforma com que Carles Puigdemont concorre a partir de Bruxelas (para onde fugiu para evitar a detenção, por rebelião e sedição ao declarar a independência).

Os socialistas catalães (Partido Socialista da Catalunha) de Miquel Iceta surgem em quarto, com os últimos lugares reservados para os radicais de extrema esquerda da CUP (que apoiaram o anterior governo de Puigdemont e Junqueras), para a versão catalã do Podemos (Catalunya En Comu/Podem) e para o PP catalão.

Em teoria, o lado que rejeita uma independência unilateral poderia ter vantagem sobre os nacionalistas, mas para tal seria preciso que o Podemos catalão aceitasse entregar a Generalitat (governo regional) ao Ciutadans de Inês Arrimadas, juntando o seu voto de apoio ao do PSC e do PP. Filipe Vasconcelos Romão não acredita.

"Acho que quem pensa que vamos ter, de caras, um governo do Ciudadanos caso haja mais votos no espanholismo do que no catalanismo, está a fazer mal as contas. Porque está a julgar que o Podemos na Catalunha vai dar os seus votos a Inês Arrimadas. Julgo que é mais provável o Podemos dar o voto a Oriol Junqueras", disse à Lusa o professor.

"Não tenho dúvidas nenhumas de que o Podemos irá inviabilizar qualquer governo que coloque o Ciudadanos na primeira linha da política catalã", disse.

Assim, se o Podemos catalão der o apoio ao independentismo, e este conseguir "uma maioria clara" no Parlamento regional, Filipe Vasconcelos Romão não descarta "que Mariano Rajoy seja tentado a estender o 155 durante mais algum tempo".

Por isso mesmo, Filipe Vasconcelos Romão escreve no livro que lança na quinta-feira que "a independência da Catalunha num contexto de normalidade é, hoje, uma causa impossível".

"Por muito que custe ao independentismo e aos seus simpatizantes, a Catalunha não será, a médio prazo, um Estado independente reconhecido pela comunidade internacional e pela União Europeia. E, a longo prazo, se vier a sê-lo, nunca o será pela via unilateral", conclui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.