Matança continua "sem vergonha, decência ou responsabilidade"

Comissão da ONU para crimes de guerra na Síria lamentou que todas as esperanças que renasceram no final do ano passado sobre o fim da violência se tenham dissipado

A comissão da Organização das Nações Unidas (ONU) que documenta os crimes da guerra na Síria lamentou hoje que a matança de sírios "continue sem qualquer vergonha, decência ou responsabilidade, a dois dias do sétimo aniversário do início do conflito.

O presidente desta comissão, o jurista brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, apresentou hoje ao Conselho de Direitos Humanos da ONU o seu relatório mais recente sobre as violações de direitos fundamentais perpetradas na Síria desde julho do ano passado.

O responsável descreveu a situação que se vive hoje na região de Ghouta oriental, um bastião rebelde perto de Damasco que tem sido alvo de uma intensa ofensiva das forças governamentais sírias, mas recordou que "nenhuma destas atrocidades é nova".

Paulo Sérgio Pinheiro lembrou tratar-se da sua 23.ª apresentação de um relatório à ONU e lamentou que todas as esperanças que renasceram no final do ano passado sobre o fim da violência se tenham dissipado com o recrudescer do conflito.

Lastimou que nem a autoridade do Conselho de Segurança da ONU seja respeitada, recordando a violação do cessar-fogo decretado há apenas dez dias para permitir o acesso humanitário seguro a Ghouta oriental.

"Centenas de doentes e feridos pioram enquanto esperam uma possibilidade de evacuação médica. Alguns dos que estavam em lista de casos graves para evacuação já morreram", disse Pinheiro.

A comissão referiu-se também à situação em Afrine, cidade do noroeste da Síria controlada pela milícia curda síria Unidades de Proteção do Povo (YPG), contra as quais o exército turco lançou uma ofensiva a 20 de janeiro.

Naquela localidade vivem atualmente 320.000 pessoas, incluindo 125.000 deslocados internos.

Sobre a província de Idleb, a única que ainda está sob controlo de grupos rebeldes e onde vivem dois milhões de pessoas, Pinheiro condenou o ataque a infraestruturas vitais para a sobrevivência dos civis, nomeadamente hospitais.

Após a intervenção de Paulo Sérgio Pinheiro, o embaixador sírio na ONU em Genebra, Hussam Edin Aala, rejeitou as alegações da Comissão e acusou o Conselho dos Direitos Humanos de promover "uma campanha para manchar a imagem do Governo sírio".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.