Senado rejeita aborto e Argentina fica com lei de 1921

Senadores votaram contra a legalização da interrupção voluntária da gravidez até às 14 semanas

Depois de uma maratona de 16 horas de debate, os senadores argentinos votaram contra a legalização do aborto - 38 contra e 31 a favor. Este resultado significa que só no próximo ano os legisladores terão outra oportunidade para revogar uma lei que data de 1921.

Neste momento, o aborto só é permitido na Argentina em caso de violação ou se a vida da mãe estiver em causa. Em julho, a legalização até às 14 semanas de gravidez fora aprovada pela Câmara baixa do congresso argentino por uma margem mínima.

Enquanto decorria o debate e a votação, no exterior do Senado amontoavam-se manifestantes pró e contra o direito ao aborto. "O que este resultado mostra é que a Argentina ainda é um país que representa os valores da família", disse à Reuters a ativista Victoria Osuna, de 32 anos. Victoria era uma das manifestantes que saudaram a decisão do Senado, exibindo lenços azuis e segurando bandeiras da Argentina, o país natal do papa Francisco.

Os apoiantes do direito ao aborto, que se distinguiam por ter lenços verdes na cabeça, dançaram nas ruas até à votação final, apesar do vento e da chuva fria do inverno argentino. Muitos estavam acampados diante do Congresso em Buenos Aires há vários dias. "Ainda estou otimista. Não passou hoje mas vai passar amanhã, ou noutro dia", disse também à Reuters Natalia Carol, de 23 anos.

Apesar de ser pessoalmente contra o aborto, o presidente Mauricio Macri já dissera estar disposto a aassinar a nova lei, se fosse aprovada pelo Senado. Todos os anos há pelo menos 350 mil abortos ilegais feitos na Argentina, estima o Ministério da Saúde, mas os grupos de defesa dos direitos humanos garantem que serão muitos mais

Na América do Sul

Cuba e Uruguai são os dois únicos países da América do Sul a ter legalizado o aborto. No Brasil, o assunto está em debate e o Supremo Tribunal vai decidir que a lei atual, que apenas permite interromper a gravidez em caso de violação, malformação do feto ou risco de vida para a mãe, é constitucional. A legalização enfrenta a oposição feroz dos evangélicos, cada vez mais poderosos no Brasil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.