Seis países disponíveis para acolher migrantes do Lifeline

Organização responsável pelo navio alega não ter autorização de Malta, apesar de informações contrárias do primeiro-ministro italiano. Nos EUA, boas e más notícias para Trump

Portugal, França e Itália são três dos seis países que já aceitaram acolher alguns dos 234 migrantes que estão a bordo do Lifeline, apesar das informações contraditórias sobre se o navio terá ou não sido autorizado a atracar em Malta após cinco dias no Mediterrâneo à espera de solução. "Recebemos uma mensagem de Malta às 18.00 a dizer que não tínhamos autorização de entrar nas águas territoriais. Por isso, não podemos confirmar as notícias nos media", escreveu ontem no Twitter a organização não governamental alemã responsável pelo navio.

A informação de que o governo maltês tinha autorizado o Lifeline a atracar em foi dada horas antes pelo primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, dizendo estar disponível para cumprir a sua parte e acolher alguns dos que seguiam a bordo. Itália fechou os seus portos aos navios de ONGs internacionais que efetuam o resgate de migrantes - e obrigou outro navio, o Aquarius, a procurar uma alternativa, que acabou por ser Espanha.

Conte disse ainda que o Lifeline será apreendido e o capitão investigado por alegadamente ter ignorado as instruções de deixar a guarda-costeira líbia resgatar os migrantes, recolhendo-os. Malta disse em comunicado que poderia estar disponível para abrir os seus portos (sem dar certezas), admitindo ações legais: "Na eventualidade de o navio entrar em portos malteses, haverá investigações e possíveis ações contra o MV Lifeline."

Mais cedo, o ministro da Administração Interna Eduardo Cabrita tinha dito que Portugal iria responder afirmativamente ao pedido maltês para acolher migrantes, faltando definir quantos virão. E após uma reunião com o Papa, o presidente francês, Emmanuel Macron, fez o mesmo, dizendo que já havia seis países disponíveis para esse acolhimento. A própria Malta seria um, enquanto a cidade de Berlim, também recetiva, precisa da autorização prévia do governo alemão.

Debate na União Europeia

Em vésperas do Conselho Europeu de quinta e sexta-feira multiplicam-se as reuniões sob o tema migratório. Ontem, após reunir com a chanceler alemã, Angela Merkel, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, defendeu que a única forma de responder a este problema é através de uma política comum, em que todos os estados-membros partilham a responsabilidade.

Entretanto, a agência das Nações Unidas para as Migrações e os Refugiados disse que vai apresentar um plano para a criação das "plataformas de desembarque regionais" à volta do Mediterrâneo, onde os migrantes podem ficar até a União Europeia decidir ou não abrir-lhes as portas. Um plano que parece recolher o apoio dentro dos 28, ao contrário da ideia de quotas.

Uma vitória e um revés para Trump

Do outro lado do Atlântico, o presidente norte-americano, Donald Trump, tem razões para estar feliz, mas também para ficar chateado. Por um lado, o Supremo Tribunal norte-americano validou o seu travel ban, que proíbe a entrada de cidadãos de sete países (cinco deles de maioria muçulmana) nos EUA. Por cinco votos contra quatro, o tribunal não considerou haver discriminação religiosa e disse que o presidente usou de forma legítima as suas as suas prerrogativas em matéria de imigração. Para Trump isto é "uma vitória tremenda para o povo americano e para a Constituição".

Por outro, depois de ter dado ordens para parar a separação de famílias na fronteira, o presidente foi obrigado, na prática, a suspender a política de tolerância zero contra os migrantes. Assim, as autoridades vão continuar a deter os adultos que cruzem ilegalmente a fronteira sem crianças. Mas, por falta de recursos, aqueles que têm filhos só vão ser acusados e detidos se já tiverem outro processo pendente.

O vice-presidente Mike Pence estará na quinta-feira na Guatemala, onde irá discutir o tema da imigração com o presidente Jimmy Morales, assim como os líderes de El Salvador, Salvador Sánchez Cerén, e das Honduras, Juan Orlando Hernández. Mais de metade dos 300 mil migrantes detidos no ano passado quando tentavam entrar ilegalmente nos EUA são destes três países.

A crise esquecida

As imagens da fuga dos rohingya da Birmânia para o Bangladesh valeram um prémio Pulitzer à Reuters e, ao fotógrafo australiano Patrick Brown (num trabalho para a Unicef), um primeiro lugar na World Press Photo. Mas o facto de mais de 700 mil pessoas serem obrigadas a fugir ou arriscarem a morte fica em terceiro plano face ao que ocorre nos EUA ou na Europa.

Um relatório da Amnistia Internacional, baseado em mais de 400 entrevistas, fala em "limpeza étnica" e acusa o líder das forças armadas birmanesas, o general Min Aung Hlaing, defendendo que seja julgado no Tribunal Penal Internacional por crimes contra a humanidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".