António Guterres pede inquérito à violência nos Camarões

Pelo menos 17 pessoas foram mortas, nas duas regiões anglófonas do país africano, à margem de uma proclamação simbólica de independência por separatistas, em relação à maioria francófona

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu na segunda-feira às autoridades dos Camarões para investigarem "atos de violência" registados no sudoeste e noroeste do país no domingo que resultaram na "perda de vidas".

Ele "condena firmemente" aqueles atos e "continua profundamente preocupado com a situação nos Camarões", precisou o seu porta-voz, Stéphane Dujarric, num comunicado.

Pelo menos 17 pessoas foram mortas no domingo nas duas regiões anglófonas dos Camarões à margem de uma proclamação simbólica de independência por separatistas em relação à maioria francófona, segundo um balanço realizado na segunda-feira pela Amnistia Internacional e fontes oficiais consultadas pela agência France Presse.

António Guterres "exorta os dirigentes políticos dos dois lados a apelarem aos seus apoiantes para se absterem de qualquer novo ato de violência e a condenarem sem equívocos qualquer ação que possa prejudicar a paz, a estabilidade e a unidade do país", adiantou o porta-voz do secretário-geral da ONU.

Desde novembro de 2016, a minoria anglófona, cerca de 20% dos 22 milhões de camaroneses e duas regiões em 10 no país, protesta contra o que designa de marginalização, ao nível do ensino e da magistratura, entre outros.

Alguns anglófonos exigem o regresso ao federalismo - que existiu entre 1961 e 1972, com dois Estados integrando a mesma república -, enquanto uma minoria reclama a partição dos Camarões, dois cenários rejeitados por Yaounde.

Após a formação de um governo, o anúncio da criação de um grupo armado e o lançamento de uma televisão, os independentistas anglófonos propuseram nas redes sociais um hino nacional da Ambazónia, o nome do Estado que proclamaram simbolicamente a 1 de outubro nas duas regiões anglófonas.

Yaounde tomou medidas fortes, instaurando o recolher obrigatório nas duas regiões de língua inglesa e proibindo as reuniões de mais de quatro pessoas e a deslocação entre localidades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.