Seca e praga de gafanhotos podem prolongar fome em Moçambique

Produções agrícolas são escassas e colheitas foram destruídas

Uma praga da lagarta invasora está a destruir as já definhadas culturas agrícolas, devido à seca, e desesperam centenas de camponeses no povoado de Chissua 2, no distrito de Cahora Bassa, centro de Moçambique, antevendo um "prolongamento da fome".

"Há fome", disse à Lusa Hinácia Lungulane, moradora de Chissua 2, resumindo a ausência de colheita nas últimas duas épocas agrícolas e antevê "um prolongamento dos sacrifícios da fome", devido a ameaça da praga de gafanhotos, que destrói espigas que resistiram ao sol.

"Nesta época (2016/2017) iniciamos bem e choveu no tempo certo da sementeira, mas começamos a ter falta de chuvas no início de fevereiro, no tempo crucial para as culturas, e a situação tem piorado com a praga de gafanhotos" contou à Lusa Alzira Albano, outra moradora de Chissua 2, que na companhia de outros vizinhos revê que "a fome vai continuar".

Nesta aldeia tão pobre de 722 habitantes, com casas precárias e culturas agrícolas devastadas, resultante de uma seca que mata aos poucos, como em todo o distrito de Cahora-Bassa e a zona sul da província de Tete, a fome mudou os hábitos da população, que só faz uma refeição por dia.

"Geralmente, as pessoas fazem uma refeição por dia, para poupar a pouca comida que compram dos comerciantes" sublinhou Rogério Jimo, um representante local do governo, acrescentando que um apoio social está a ser providenciado a 40 idosos e outros grupos vulneráveis.

Segundo Rogério Jimo, as refeições únicas são geralmente intercaladas por pepino e melancias, cuja produção este ano também é "muito escassa", contrariamente à fartura registada nas épocas passadas, o que serviu de base de sustento a milhares de pessoas da região.

Várias mulheres de aldeia estão a colher folhas de abóbora, feijões e quiabo tradicional nas quintas e para secagem, antes da devoração e destruição total pelas lagartas, para um aprovisionamento para os momentos difíceis.

"Nós secamos e depois guardamos em sacos, para fazer caril ou ensopados quando já não tivermos nada para comer" disse Alzira Albano, enquanto espalha ervas verdes num saco de ráfia estendido sobre um intenso sol.

A seca e a fome a sul de Tete contrasta com a abundância da produção no norte da província, o que tem gerado oportunidade de negócio a pequenos comerciantes, que abastecem de cereais e hortícolas as aldeias atingidas pela fome.

Vários camponeses têm procurado trocar as quintas por trabalhos de rendimentos no garimpo ou produção de carvão vegetal, mas as iniciativas têm-se mostrado insuficientes para travar a fome sem precedentes que afeta centenas de aldeias na região.

"O dinheiro que nós usamos para comprar esse milho com que fazemos uma refeição por dia vem do garimpo e produção de carvão, mas mesmo assim não conseguimos combater a fome, porque já vamos frágeis no trabalho por falta de alimentação" disse Tito Zuze, que foi reduzindo cada vez mais a esperança de ver recuperada a produção para esta época, sem inseticida para a praga e chuva para a restauração da cultura.

Dados do governo provincial de Tete indicam que os distritos mais afetados pela estiagem são os que se localizam no sul da província, nomeadamente, Changara, Cahora Bassa, Marara e Mágoè.

A estiagem também se faz sentir com gravidade na zona sul dos distritos de Moatize e Chiúta. O distrito de Dôa, no Este de Tete, está a sofrer também os efeitos da falta de chuvas. Nestas regiões, reporta-se que são 108 mil famílias camponesas que perderam as suas culturas.

Tete é a província mais quente de Moçambique e a seca que afeta nove distritos só tem contribuído nas perdas consideráveis da produção, tornando a província com mais bolsas de fome no país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.