"Se a guerra chegar". Panfleto vai para 4,8 milhões de casas

Governo sueco, em 20 páginas, explica e alerta a população para situações de crise extrema, como guerra, catástrofes naturais e ciberataques ou terrorismo

"O que faria se a sua vida fosse virada do avesso?". É com esta interrogação que começa um panfleto que o governo sueco está a entregar em 4,8 milhões de casas por toda a Suécia. É a primeira vez que tal é feito no país em mais de meio século.

"Om krisen eller kriget kommer" (se a crise ou a guerra chegarem) é um folheto informativo de 20 páginas que explica à população o que fazer para assegurar, por exemplo, necessidades básicas como comida, água e aquecimento. Explica ainda o que vários alarmes e avisos significam e como é que as pessoas podem contribuir para a "defesa total" da Suécia.

"Embora a Suécia seja mais segura que muitos países, existem muitas ameaças à nossa segurança e independência. Se estiver preparado, está a contribuir para melhorar a capacidade do país em lidar com as situações", lê-se também.

Não é só a guerra "clássica" que é abordada. O panfleto adapta-se ao mundo contemporâneo e alerta também para os ciberataques. Fenómenos naturais não são, também, deixados de parte.

Explica o Guardian que panfletos semelhantes aos que agora são distribuídos foram dados à população da então "neutra" Suécia durante a II Guerra Mundial. A situação manteve-se, com atualizações, até 1961, e depois até 1991 apenas para o governo local e nacional.

Além de uma lista de itens e coisas a ter e fazer para ultrapassar situações mais complicadas, existem ainda dicas para identificar e combater "informação falsa".

Há ainda indicações para o que fazer em caso de ataque terrorista e todos os contactos essenciais são disponibilizados.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.