Santos Silva exige acesso imediato a portugueses presos na Venezuela

Ministro dos Negócios Estrangeiros português reuniu-se esta segunda-feira com o seu homólogo venezuelano à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova Iorque

Augusto Santos Silva reuniu-se esta segunda-feira com o seu homólogo venezuelano Jorge Arreaza à margem da Assembleia Geral da ONU. Em cima da mesa a detenção de portugueses e lusodescendentes gerentes de supermercados na Venezuela pelo regime de Nicolás Maduro.

"Foi uma conversa muito dura. Não foi um encontro diplomático normal. Pedi o acesso imediato aos detidos por partes das autoridades consulares e da nossa representação diplomática em Caracas", disse aos jornalistas, em Nova Iorque, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, depois de terminar o encontro com o ministro das Relações Exteriores da Venezuela.

Na madrugada desta segunda-feira, o chefe da diplomacia portuguesa, classificara a detenção dos donos dos supermercados como "uma ofensiva das autoridades venezuelanas contra o setor da pequena e média distribuição".

Santos Silva anunciou que o secretário de Estado das Comunidades Portugueses, José Luís Carneiro, no início de outubro "para reunir com as comunidades e com os empresários portugueses e para, in loco, aprofundar o conhecimento e a nossa ação nesta situação".

CLIQUE AQUI PARA ACEDER AO ESPECIAL DN SOBRE A CRISE NA VENEZUELA:

Na sexta-feira passada, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou a detenção de 34 gerentes de supermercados por violação da lei. 10 portugueses detidos ficaram em prisão preventiva, acusados de não respeitarem o preço máximo de venda ao público dos produtos, de açambarcarem e de modificarem os preços de venda, além de terem vazias as prateleiras de carne, frango, arroz e massa. Incorrem numa pena de prisão que pode ir dos dois aos 10 anos de cadeia.

"Várias centenas de milhar" de portugueses e lusodescendentes vivem na Venezuela, referiu Santos Silva, realçando que enfrentam problemas económicos e sociais muito graves, com "problemas de abastecimento básicos de alimentos ou medicamentos".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.