Santos Silva exige acesso imediato a portugueses presos na Venezuela

Ministro dos Negócios Estrangeiros português reuniu-se esta segunda-feira com o seu homólogo venezuelano à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova Iorque

Augusto Santos Silva reuniu-se esta segunda-feira com o seu homólogo venezuelano Jorge Arreaza à margem da Assembleia Geral da ONU. Em cima da mesa a detenção de portugueses e lusodescendentes gerentes de supermercados na Venezuela pelo regime de Nicolás Maduro.

"Foi uma conversa muito dura. Não foi um encontro diplomático normal. Pedi o acesso imediato aos detidos por partes das autoridades consulares e da nossa representação diplomática em Caracas", disse aos jornalistas, em Nova Iorque, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, depois de terminar o encontro com o ministro das Relações Exteriores da Venezuela.

Na madrugada desta segunda-feira, o chefe da diplomacia portuguesa, classificara a detenção dos donos dos supermercados como "uma ofensiva das autoridades venezuelanas contra o setor da pequena e média distribuição".

Santos Silva anunciou que o secretário de Estado das Comunidades Portugueses, José Luís Carneiro, no início de outubro "para reunir com as comunidades e com os empresários portugueses e para, in loco, aprofundar o conhecimento e a nossa ação nesta situação".

CLIQUE AQUI PARA ACEDER AO ESPECIAL DN SOBRE A CRISE NA VENEZUELA:

Na sexta-feira passada, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou a detenção de 34 gerentes de supermercados por violação da lei. 10 portugueses detidos ficaram em prisão preventiva, acusados de não respeitarem o preço máximo de venda ao público dos produtos, de açambarcarem e de modificarem os preços de venda, além de terem vazias as prateleiras de carne, frango, arroz e massa. Incorrem numa pena de prisão que pode ir dos dois aos 10 anos de cadeia.

"Várias centenas de milhar" de portugueses e lusodescendentes vivem na Venezuela, referiu Santos Silva, realçando que enfrentam problemas económicos e sociais muito graves, com "problemas de abastecimento básicos de alimentos ou medicamentos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.