Roménia aprova referendo para proibir casamentos gay

Associações próximas da igreja ortodoxa afirmam terem recolhido três milhões de assinaturas para que o objetivo fosse cumprido

A câmara alta do Parlamento da Roménia aprovou na noite de terça-feira por uma larga maioria a realização de um referendo para inscrever na Constituição a proibição do casamento homossexual.

A realização da consulta, já aprovada pela câmara baixa do Parlamento e que poderá decorrer a 7 de outubro, resulta de uma "iniciativa cidadã" de várias associações próximas da igreja ortodoxa, que afirmam terem recolhido três milhões de assinaturas com tal objetivo. A população do país é de cerca de 19 milhões.

Segundo o texto aprovado pelos eleitos e que deverá integrar a lei fundamental caso o "sim" vença o referendo, o casamento representa "a união entre um homem e uma mulher".

Atualmente a constituição refere uma união "entre cônjuges", embora o casamento homossexual não seja permitido na Roménia.

Para a associação Accept, que defende os direitos das minorias sexuais, com o seu voto "o Senado romeno faz da homofobia um valor de Estado e sacrifica a proteção constitucional de numerosas famílias".

"Esta votação representa uma violação do direito à vida privada e de família (...) que pertence a todos, seja qual for a sua orientação sexual", adiantou.

Num parecer histórico em 2015, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos instou os Estados a estabelecerem uma forma de parceria civil para os homossexuais.

Atualmente, metade dos 28 países membros da União Europeia (UE) reconhecem o casamento homossexual, enquanto oito outros autorizam a união civil.

Membro da UE desde 2007, a Roménia só descriminalizou a homossexualidade no início dos anos 2000, e as minorias homossexuais continuam a ser vítimas de discriminação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.