Resgate na Tailândia vai dar origem a filme de Hollywood

Também a gruta Tham Luang, onde os 13 jovens ficaram presos durante mais de duas semanas, será transformado num museu

A história dos 12 rapazes tailandeses e do treinador de futebol que ficaram presos na gruta Tham Luang, na Tailândia, durante mais de duas semanas, emocionou o mundo. E, segundo a BBC , irá ser transformada num filme de Hollywood.

A imprensa norte-americana até já aponta um nome, Jon M Chu, para realizador da película. O californiano assinou êxitos como a saga Step Up , G.I Joe e Mestres da Ilusão 2 .

Mas o plano está já a levantar controvérsia, sobretudo junto de tailandeses que não veem com bons olhos a possibilidade de o elenco ser integrado por estrelas de cinema, naquilo a que chamam de "white washing"; ou seja, a minimização do papel dos tailandeses na história.

Vários tweets de preocupação e de indignação têm sido publicados na rede social.

Através do Twitter, o realizador fez questão de falar sobre a polémica e deixou uma mensagem às vozes que acusam Hollywood de "white washing" prometendo honrar a memória de todos os elementos da marinha Tailandesa que participaram na operação de busca e resgate.

"De maneira nenhuma. Não enquanto nós madarmos. Isso não vai acontecer ou vamos fazer-lhes a vida num inferno. Esta é uma bela história sobre seres humanos que salvam outros seres humanos. Qualquer pessoa que pense adaptar esta história deve abordá-la de maneira correta e respeitosa."

Antes mesmo de as 13 pessoas terem sido salvas, o estúdio norte-americano Pure Flix Entertainment - que produz filmes cristãos - anunciou que os produtores estavam no local com o intuito de adquirir os direitos da história para a realização de um filme.

O grupo preso na Tailândia já foi resgatado da caverna e recupera agora no hospital, onde vai ficar uma semana de quarentena.

Os 12 meninos, com idades compreendidas entre os 11 e os 16 anos, e o treinador de futebol entraram na caverna a 23 de junho, depois de um treino de futebol, mas acabaram surpreendidos quando a chuva fez inundar a gruta.

Foram encontrados por mergulhadores britânicos nove dias depois e foram resgatados em três dias de operação, a qual envolveu dezenas de mergulhadores e uma centena de outros operacionais.

O museu Tham Luang

Também o complexo de grutas Tham Luang, um dos maiores da Tailândia, ficou no centro das atenções com este drama. Fica sob as montanhas ao perto da pequena cidade de Mae Sai, no norte da província de Chiang Rai, na fronteira com Myanmar (Birmânia).

A área é em grande parte subdesenvolvida, com poucas instalações turísticas. Facto que pode agora mudar, segundo a BBC.

"A área irá ser um museu vivo, para mostrar como a operação se desenrolou", disse Narongsak Osottanakorn, ex-governador e chefe da missão de resgate. "Será criada uma base de dados interativa. A gruta irá ser outra grande atração na Tailândia."

Resta saber se quem descer no passeio não corre o risco de lá ficar, como os 13 jovens. O primeiro-ministro tailandês Prayuth Chan-ocha mostrou a mesma precaução e assegurou que teriam de ser implementados, dentro e fora da caverna, meios para proteger os turistas.

Uma das medidas de segurança poderá passar por não abrir o Museu durante a estação das monções, que vai de junho a outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.