Monges budistas trazem "energia holística" ao salvamento

Dois monges budistas atravessaram a fronteira de Myanmar para a Tailândia para se aproximarem o mais possível da gruta onde estão as crianças para "enviar energia positiva"

Vestidos com as túnicas de cor açafrão, descalços e com a cabeça e as sobrancelhas raspadas, no meio da estrada, à mercê da chuva que se abateu desde a madrugada de hoje, Phaecswoo Chat e o companheiro de viagem não passam despercebidos.

Tentaram aproximar-se o mais possível da gruta na zona montanhosa de Doi Nang Non, isolada desde domingo pelas autoridades tailandesas, mas ficaram a quase dois quilómetros do local.

O suficiente, garantiu um dos budistas, Phaecswoo Chat, para "enviar energia positiva, holística, que liga todos no mundo".

Sensibilizados pelo drama que se vive em Mae Sai e que é seguido pelos 'media' de todos os continentes desde 23 de junho, os dois monges fizeram uma inflexão numa viagem que já tinha passado por países como a Índia, Laos, Camboja, China e, por último, Myanmar (antiga Birmânia).

Phaecswoo Chat é natural da Índia e aquele que melhor consegue articular algumas palavras em inglês.

O monge disse estar convicto de que as práticas budistas, como a meditação, tiveram um papel decisivo na sobrevivência do grupo que se encontra numa complexa rede subterrânea há mais de 15 dias, nove dos quais sem acesso a água e alimentação.

"Bastam dois, três, quatro, cinco minutos e os problemas desaparecem e eles [as crianças e o treinador] acalmam", argumentou, antes de retomarem o caminho sob a chuva que, no terreno, estará a dificultar a missão de salvamento, no terceiro dia das operações de resgate.

O treinador de futebol, que está ainda bloqueado numa gruta em Mae Sai, Tailândia, com mais quatro crianças, deverá ser o último a ser resgatado, de acordo com as últimas informações tornadas públicas pelas autoridades.

O treinador Ekapol Chanthawong, de 25 anos, foi um monge budista durante uma década e, de acordo com várias publicações e agências noticiosas, tem ensinado as crianças a meditar, não só para assegurar que se mantenham calmas, mas também que reservem as energias numa situação extrema que dura há mais de duas semanas.

Quando a equipa de mergulhadores britânica encontrou os jovens, estes estariam a meditar, num exercício que tem ajudado a acalmar as crianças desde 23 de junho, quando foram surpreendidas pela inundação parcial do complexo subterrâneo montanhoso Doi Nang Non..

Depois do sucesso de segunda-feira, que eleva para oito o número de crianças que estão já a receber tratamento hospitalar em Chiang Rai, capital da província, o líder da célula de crise salientou a maior rapidez da operação, que necessitou de menos duas horas do que o primeiro resgate.

"Pensamos que podemos fazer melhor hoje e resgatar as nove pessoas que estão na gruta", as quatro crianças, o treinador, o médico e três mergulhadores da marinha tailandesa, disse Narongsak Osottanakorn na última conferência de imprensa que terminou às 12:00 (06:00 em Lisboa).

A chuva está a marcar a madrugada e o dia em Mae Sai, cidade da província de Chiang Rai, norte da Tailândia, dificultando a operação de resgate final que já está em execução.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.