Regulador chumba normas anti-Airbnb em Espanha

Comissão que regula o imobiliário em Espanha avança para tribunal porque considera que as medidas que pretendem restringir o alojamento local violam a lei da concorrência.

A tentativa das principais câmaras municipais espanholas de regular o crescimento de alojamentos turísticos poderá ter os dias contados. A CNMC (Comissão Nacional de Mercados e Concorrência) de Espanha anunciou esta terça-feira que irá protestar nos tribunais contra as regulamentações urbanas de Madrid, Bilbau e San Sebastián, considerando que violam a "concorrência" e prejudicam consumidores e utilizadores. Outras regras, que ainda não estão em vigor, em Barcelona e Valência, também poderão estar na mira do CNMC.

Entre as medidas que os municípios estão a implementar estão a necessidade de uma licença para arrendar a casa a turistas e a imposição de limites de tempo e do tipo de imóveis que podem ser usados para arrendamento de curta duração.

Segundo o El Pais, o organismo presidido por José María Marín Quemada já terá enviado as queixas aos tribunais dos municípios de Madird, Bilbau e San Sebastián, exigindo explicações sobre a "necessidade e as proporções" dessas restrições e, caso não sejam consideradas necessárias, pedindo para as anular. Na ausência de uma resposta satisfatória, a CNMC avançará para um recurso contencioso-administrativo superior.

A CNMC acedita que estas restrições "impedem a entrada de novos operadores e consolidam os operadores turísticos já instalados", o que contraria a lei da concorrência. Além disso, as medidas irão provocar "preços mais elevados no alojamento turístico" e uma quebra na sua qualidade. "Em nenhum dos três casos estão especificados com clareza os objetivos de interesse geral destas medidas", lê-se na nota da CNMC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.