Rangel: candidatura de Centeno "pouco falada" na Europa pode ser "trunfo" 

Paulo Rangel afirma que a potencial candidatura de Mário Centeno ao Eurogrupo é "pouco falada na Europa" e isso "pode ser um trunfo". Mas, o social-democrata duvida que o português formalize a candidatura

O eurodeputado do PSD, Paulo Rangel acredita que as hipóteses de vitória de uma candidatura de Mário Centeno à liderança no Eurogrupo estão dependentes de "um impasse" na escolha entre outros potenciais candidatos, considerando que o "trunfo" do português é ser um nome "pouco falado", na Europa, podendo por essa razão, ser uma solução de "consenso".

"Ao contrário do que sempre se disse em Portugal, a ideia de que Mário Centeno possa ser presidente do Eurogrupo, é uma ideia muito recente. Mesmo assim, não é muito falado. O que, aliás, para ele, pode ser um trunfo, disse o social-democrata, em declarações à TSF/DN.

"Penso que uma candidatura portuguesa só teria hipótese, no caso de haver um impasse e, no ressalto, haver uma solução de consenso. E, portanto, eventualmente, o facto de ninguém falar nessa hipótese e de não a tomarem muito a sério, dá-lhe alguma chance de, se houver um impasse, isso acontecer", admite o eurodeputado.

Rangel acredita que há discussão de bastidores a atrasar as candidaturas que tem mais a ver com questões geopolíticas do que com assuntos partidários.

"Nos 19 países do Eurogrupo, só há cinco governos PPE, só há quatro socialistas e, depois, há seis Liberais e, destes, apenas três são mais fortes. E, mesmo os três Liberais mais fortes, são muito fracos, porque estão em coligações de mais de quatro partidos", disse, frisando que "isto cria, de facto, uma necessidade de negociação feita ao milímetro".

"Isto passará por um grande entendimento entre Merkel e Macron. Mas, mesmo aí serão precisas negociações que passarão mais por um nível geopolítico do que propriamente pela questão ideológica", afirmou, mostrando-se mesmo reticente em relação a uma eventual candidatura de Mário Centeno.

"O meu prognóstico é que ela não vai acontecer. Mas, enfim logo veremos", disse o eurodeputado, sublinhando que existe outras candidaturas "fortes".

No plano geopolitico, Rangel destaca a "candidatura forte" da Eslováquia, que resulta, nomeadamente de "neste momento o leste estar sub-representado e, da Eslováquia ser o único país de Visegrado que está no euro. E isso pode ser um fator importante na reconciliação a Polónia, a República Checa [ou] mesmo a Roménia, que também tem um governo socialista, por sinal".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.