Rajoy ativa mecanismo para aplicar artigo 155 e suprimir autonomia da Catalunha

Rajoy pediu a Puigdemont para esclarecer se declarou formalmente a independência

Mariano Rajoy pediu esta manhã ao presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, para esclarecer se declarou formalmente a independência, tendo anunciado também que este é um passo para ativar o mecanismo para aplicar o artigo 155 da Constituição, que suprime a autonomia de uma comunidade.

"O Conselho de Ministros acordou esta quarta-feira de manhã enviar um pedido formal à Generalitat [governo regional catalão] para que confirme se declarou a independência da Catalunha", disse Rajoy, numa breve declaração transmitida pela televisão.

"Este requerimento é necessário na altura de ativar o artigo 155 da Constituição", disse o primeiro-ministro espanhol. "A resposta do presidente catalão irá determinar os acontecimentos futuros, nos próximos dias", continuou. Rajoy afirmou que o governo quer oferecer "certezas" e "clareza" aos espanhóis e catalães, segundo o El País.

Na terça-feira ao final da tarde, Puigdemont disse que assumia "o mandato do povo" para que a Catalunha seja um "Estado independente", mas propôs esperar "algumas semanas" para facilitar o diálogo com Madrid.

O artigo 155 da Constituição espanhola, nunca usado, prevê a suspensão de uma autonomia e dá ao Governo central poderes para adotar "as medidas necessárias" para repor a legalidade.

O governo espanhol reúne-se hoje de urgência para discutir os próximos passos. Na noite passada, Rajoy reuniu-se com o secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, e esta manhã falou ao telefone com o presidente do Ciudadanos, Albert Rivera.

Pedro Sánchez anunciou esta quarta-feira o apoio do PSOE ao governo e à ativação do artigo 155 da Constituição. O PSOE criticou ontem à noite Puigdemont por ter criado na Catalunha uma situação de "absoluta ingovernabilidade", segundo El País.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.