Quatro mortos em tiroteio no Canadá. Dois são polícias. Um suspeito detido

Incidente aconteceu na manhã desta sexta-feira numa área residencial da cidade de Fredericton, na província de New Brunswick. O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, já reagiu às "notícias terríveis"

Pelo menos quatro pessoas morreram num tiroteio numa área residencial no Canadá, confirmou a polícia de Fredericton, New Brunswick, através do Twitter. Foi confirmada a detenção de um suspeito pela autoridade local TrafficNB, que está a ser tratado depois de ter sofridos ferimentos graves.

As autoridades atualizaram, entretanto, a informação, dando conta que das quatro pessoas mortas no tiroteio, duas são agentes da polícia de Fredericton.

O incidente aconteceu numa área residência de Fredericton, capital da província e com quase 60 mil habitantes, durante a manhã desta sexta-feira. Polícia, paramédicos e bombeiros já estão no local.

As autoridades aconselharam os habitantes a ficar em casa, com portas trancadas. Segundo uma jornalista da CBCNB, várias pessoas estão a ser escoltadas para fora da zona do tiroteio pela polícia.

A polícia local pediu, através do Twitter, para que ninguém "publique informações sobre o posicionamento ou as atividades da polícia e dos socorristas", e prometeu dar informações o mais cedo possível.

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, reagiu "às notícias terríveis" do tiroteio através da rede social Twitter. Escreveu que está a "acompanhar de perto" a situação.

Entretanto, a polícia local adiantou que já não existe mais perigo público e que por isso já não é necessário que as pessoas permaneçam em casa com as portas trancadas.

Em atualização

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.