Quando um país muda de nome: a Macedónia é agora Macedónia do Norte

A Grécia e a Macedónia chegaram a acordo para resolver a disputa sobre o nome da antiga república jugoslava, que é igual à região helénica

"Chegámos a acordo", anunciou o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras. "Estou feliz porque temos um bom acordo que abrange todas as pré-condições estabelecidas pelo lado grego", disse ao presidente grego Prokopis Pavlopoulos. O chefe do executivo macedónio, Zoran Zaev, afirmou em conferência de imprensa que "não há forma de voltar atrás".

Quando a Macedónia se separou da Jugoslávia, em 1991, e adotou o nome de República da Macedónia, abriu uma guerra diplomática com o vizinho grego. Atenas nunca aceitou esse nome, de tal forma que o nome formal (e provisório) ficou Antiga República Jugoslava da Macedónia.

O desentendimento entre Atenas e Skopje frustrou as expectativas macedónias de aderir à União Europeia e à NATO, numa região onde as duas organizações disputam influência com a Rússia.

Tsipras disse que o acordo responde às preocupações da Grécia de que o novo nome para a Macedónia seja um nome composto com um qualificador geográfico.

Os governos de Atenas e Skopje queriam chegar a acordo antes da cimeira da UE no final de junho. No entanto, o acordo tem de ser ratificado em referendo na Macedónia e obter a aprovação dos parlamentos dos dois países.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.