Quadrilha assalta pessoas com máscaras de "La Casa de Papel"

Grupo vestia-se com os personagens da série e fazia assaltos à porta de instituições bancárias

A série espanhola "La Casa de Papel" tem-se revelado um fenómeno à escala mundial, mas também tem influenciado alguns grupos de assaltantes. O caso mais recente foi na Argentina, em Buenos Aires, onde no último fim de semana as autoridades prenderam um grupo de assaltantes que, munidos de máscaras de Salvador Dalí, decidiram roubar as pessoas à porta das instituições bancárias.

O grupo é constituído por oito homens e três mulheres, com idades compreendidas entre os 18 e os 80 anos, que usaram as máscaras do artista catalão, como as personagens principais da série "La Casa de Papel". Os suspeitos começaram a ser investigados este mês, a partir de uma denúncia de um assalto a um banco com o recurso a macacões vermelhos parecidos com os da série.

Segundo a agência estatal Télam, o grupo residia em Morón e já tinha cometido assaltos em instituições bancárias e outros atos ilícitos. Em ocasiões diferentes, foram encontradas seis máscaras com o rosto de Salvador Dalí, bem como uma pistola de calibre 45, munição de equipamento de radiofrequência, uma bolsa com lacres pretos, luvas e roupas pretas, três motas e um quadriciclo.

"La Casa de Papel" centra-se em oito ladrões que assaltam a Casa Nacional da Moeda de Espanha e fazem reféns as pessoas que se encontram lá dentro, ao mesmo tempo em que um génio do crime tenta iludir as forças de segurança para levar a cabo o seu plano. Ao longo da série, podemos ver as personagens Tóquio, Nairóbi, Rio, Berlim, Helsínquia, Oslo, Denver e Moscovo a seguirem um plano definido pelo Professor e a "lutarem" com as autoridades nas situações mais críticas.

Durante alguns tempos a série, criada para o canal de televisão espanhol Antena 3 e disponível na Netflix, dominou o ranking das séries mais vistas em maratonas da aplicação TV Time, encontrando-se atualmente no 39º lugar do top das séries mais vistas no IMDb.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.