Putin diz que suspeitos de envenenar ex-espião são civis e inocentes

Presidente russo diz conhecer a identidade dos dois homens identificados pelo Reino Unido como alegados autores do ataque ao ex-espião Sergei Skripal

O Presidente da Rússia garantiu nesta quarta-feira que as autoridades do seu país já sabem "quem são" e que "já encontraram" os dois homens acusados pelo Reino Unido de serem os autores do ataque ao ex-espião Sergey Skripal e à filha, em solo britânico, em março do ano passado. E, de acordo com Vladimir Putin, a história apresentada pelos britânicos está mal contada: "Espero que eles próprios se apresentem e contem tudo. Isso seria o melhor para todos, afirmou. "Não existe nada de especial, nada de criminoso ali, posso garantir-lhes. Como poderemos ver no futuro próximo".

Na semana passada, em mais um episódio de um caso que tem afetado a relação entre os dois países, o Reino Unido nomeou Alexander Petrov e Ruslan Boshirov como os dois agentes dos serviços secretos russos (a GRU) que acusa de terem envenenado Sergey Skripal e a sua filha Yulia na cidade britânica de Salisbury, em março de 2018, recorrendo ao sofisticado agente nervoso novitchok.Skipral, de 66 anos, e Yulia, de 33, foram hospitalizados em estado grave, na sequência do alegado ataque, mas sobreviveram, estando desde então sob proteção das autoridades britânicas.

Alvo do ataque seria agente duplo

O incidente gerou fortes protestos do Reino Unido, que expulsou dezenas de diplomatas russos, medida entretanto correspondida por aquele país. Várias outras potências ocidentais, incluindo os Estados Unidos, acompanharam a condenação de Moscovo, que continua a negar qualquer responsabilidade no sucedido.

Skipral é um antigo expião russo que, na década de 1990, começou a trabalhar como agente duplo, fornecendo informações aos serviços secretos britânicos. Segundo foi noticiado, continuaria a reunir com o MI6, e esse é um dos motivos apontados para a alegada tentativa de assassinato.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.