Putin diz que suspeitos de envenenar ex-espião são civis e inocentes

Presidente russo diz conhecer a identidade dos dois homens identificados pelo Reino Unido como alegados autores do ataque ao ex-espião Sergei Skripal

O Presidente da Rússia garantiu nesta quarta-feira que as autoridades do seu país já sabem "quem são" e que "já encontraram" os dois homens acusados pelo Reino Unido de serem os autores do ataque ao ex-espião Sergey Skripal e à filha, em solo britânico, em março do ano passado. E, de acordo com Vladimir Putin, a história apresentada pelos britânicos está mal contada: "Espero que eles próprios se apresentem e contem tudo. Isso seria o melhor para todos, afirmou. "Não existe nada de especial, nada de criminoso ali, posso garantir-lhes. Como poderemos ver no futuro próximo".

Na semana passada, em mais um episódio de um caso que tem afetado a relação entre os dois países, o Reino Unido nomeou Alexander Petrov e Ruslan Boshirov como os dois agentes dos serviços secretos russos (a GRU) que acusa de terem envenenado Sergey Skripal e a sua filha Yulia na cidade britânica de Salisbury, em março de 2018, recorrendo ao sofisticado agente nervoso novitchok.Skipral, de 66 anos, e Yulia, de 33, foram hospitalizados em estado grave, na sequência do alegado ataque, mas sobreviveram, estando desde então sob proteção das autoridades britânicas.

Alvo do ataque seria agente duplo

O incidente gerou fortes protestos do Reino Unido, que expulsou dezenas de diplomatas russos, medida entretanto correspondida por aquele país. Várias outras potências ocidentais, incluindo os Estados Unidos, acompanharam a condenação de Moscovo, que continua a negar qualquer responsabilidade no sucedido.

Skipral é um antigo expião russo que, na década de 1990, começou a trabalhar como agente duplo, fornecendo informações aos serviços secretos britânicos. Segundo foi noticiado, continuaria a reunir com o MI6, e esse é um dos motivos apontados para a alegada tentativa de assassinato.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.