Putin diz que suspeitos de envenenar ex-espião são civis e inocentes

Presidente russo diz conhecer a identidade dos dois homens identificados pelo Reino Unido como alegados autores do ataque ao ex-espião Sergei Skripal

O Presidente da Rússia garantiu nesta quarta-feira que as autoridades do seu país já sabem "quem são" e que "já encontraram" os dois homens acusados pelo Reino Unido de serem os autores do ataque ao ex-espião Sergey Skripal e à filha, em solo britânico, em março do ano passado. E, de acordo com Vladimir Putin, a história apresentada pelos britânicos está mal contada: "Espero que eles próprios se apresentem e contem tudo. Isso seria o melhor para todos, afirmou. "Não existe nada de especial, nada de criminoso ali, posso garantir-lhes. Como poderemos ver no futuro próximo".

Na semana passada, em mais um episódio de um caso que tem afetado a relação entre os dois países, o Reino Unido nomeou Alexander Petrov e Ruslan Boshirov como os dois agentes dos serviços secretos russos (a GRU) que acusa de terem envenenado Sergey Skripal e a sua filha Yulia na cidade britânica de Salisbury, em março de 2018, recorrendo ao sofisticado agente nervoso novitchok.Skipral, de 66 anos, e Yulia, de 33, foram hospitalizados em estado grave, na sequência do alegado ataque, mas sobreviveram, estando desde então sob proteção das autoridades britânicas.

Alvo do ataque seria agente duplo

O incidente gerou fortes protestos do Reino Unido, que expulsou dezenas de diplomatas russos, medida entretanto correspondida por aquele país. Várias outras potências ocidentais, incluindo os Estados Unidos, acompanharam a condenação de Moscovo, que continua a negar qualquer responsabilidade no sucedido.

Skipral é um antigo expião russo que, na década de 1990, começou a trabalhar como agente duplo, fornecendo informações aos serviços secretos britânicos. Segundo foi noticiado, continuaria a reunir com o MI6, e esse é um dos motivos apontados para a alegada tentativa de assassinato.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.