Projeções dão larga vitória ao "sim" ao aborto na Irlanda

Sondagem à boca das urnas do jornal The Irish Times dá 68% a favor de mudar lei que proibia a interrupção da gravidez.

Os votos só começam a ser contados na manhã de sábado, mas as projeções à boca de urnas apontam para a revogação da lei que proíbe o aborto na católica República da Irlanda. Segundo a sondagem do The Irish Times, 68% dos eleitores votaram "sim" e 32% votaram "não". A atual lei é uma das mais conservadoras na Europa, proibindo o aborto mesmo em caso de violação, incesto ou malformação do feto, exceto em casos em que a vida da mãe esteja em risco. As mulheres arriscam penas até 14 anos de prisão.

A participação deverá ser das mais elevadas de sempre, batendo a do referendo sobre casamentos homossexuais (61%). "Não dou nada como garantido, mas estou tranquilamente confiante. Penso que uma elevada participação é vantajosa para a campanha do "sim"", disse o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, após votar.

As urnas abriram às 7.00 e ficaram abertas até às 22.00. Os relatos iniciais já apontavam para uma participação elevada - em algumas zonas de Dublim era de 40% às 16.30, havendo áreas em que a participação era acima da registada no referendo que, há três anos, aprovou o casamento homossexual.

A consulta para revogar a Oitava Emenda da Constituição, uma das leis antiaborto mais conservadoras na Europa - junto com Irlanda do Norte e Malta -, era uma das promessas de campanha de Varadkar. Aprovada em referendo em 1983, esta legislação equiparava a vida do feto à da mulher, reiterando a proibição do aborto que na prática já era ilegal desde 1861. Em 2013, a interrupção da gravidez passou a ser autorizado no caso de risco de vida para a mãe - em 2016, realizaram-se 25 abortos na Irlanda. Outras nove mulheres por dia viajaram para Inglaterra ou País de Gales para poder abortar, sendo legal fazê-lo no estrangeiro desde 1992. Caso a lei seja revogada, o governo vai elaborar um projeto de lei que permita autorizar o aborto até às 12 semanas e, em casos específicos, até às 24.

Num país em que 78,3% da população diz ser católica, a igreja teve um papel mais discreto nesta campanha do que na do referendo de 1983. A Igreja Católica está fragilizada pelos escândalos de pedofilia - pelos quais o papa Bento XVI pediu desculpa em 2010 -, mas também do tratamento às "mulheres caídas" (prostitutas, mas também grávidas fora do casamento), que ao longo de dois séculos foram internadas e obrigadas a trabalhar. A consulta ocorre a três meses da visita do Papa Francisco à Irlanda e três anos após a legalização dos casamentos gay, tendo os irlandeses sido os primeiros a fazê-lo através de referendo.

Os defensores do "sim" e do "não" gastaram ontem os últimos cartuchos para convencer os indecisos, sendo possível fazer campanha a 50 metros dos locais de voto. A lei eleitoral não autoriza os irlandeses que vivem no estrangeiro a votar nas embaixadas ou via postal, mas os que saíram há menos de 18 meses do país continuam inscritos nos cadernos eleitorais. Muitos optaram por voltar à Irlanda para votar, partilhando as histórias nas redes sociais com o hashtag #hometovote.

"Toda a comemoração do #hometovote parece uma resposta a todas as jornadas silenciosas e secretas que foram feitas no outro sentido. Seja qual for o resultado do referendo, o silêncio foi quebrado", escreveu a escritora irlandesa Jane Casey no Twitter. Outras pessoas mostravam os bilhetes de avião ou a receção que tinham tido ao chegar ao aeroporto para votar. Nesta rede social, o "sim" era o claro vencedor, com as expressões #repealthe8th (revoga a Oitava Emenda), #VoteYes (vota sim) ou #TogetherForYes (juntos pelo sim) no topo das mais usadas no Twitter na Irlanda. Os jovens e os centros urbanos têm tendência para votar "sim", enquanto a geração mais velha e o meio rural se inclina para o "não".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.