Procuravam o avião da Malaysia Airlines e encontraram navios do séc. XIX

Investigadores acreditam que destroços são de antigas embarcações britânicas de transporte de carvão

Os dois navios naufragados que foram encontrados no Oceano Índico, em 2015, durante as buscas aos destroços do avião MH370 da Malaysia Airlines, eram embarcações mercantes que afundaram no século 19. Os navios foram descobertos a 2.300 quilómetros da Austrália e a equipa de investigação acredita que faziam parte de uma frota britânica encarregue de transportar carvão.

Um dos navios, descoberto em dezembro de 2015, foi identificado como tendo sido uma embarcação em ferro. Ross Anderson, curador de arqueologia marítima do Western Australian Museum, disse que provavelmente este foi um destes três navios: o West Ridge (que foi dado como desaparecido em 1883), o Kooringa (1894) ou o Lago Ontário (1897).

As provas apontam para o naufrágio do navio como resultado de um evento catastrófico, como uma explosão, o que era comum no transporte de cargas de carvão

Os investigadores acreditam que será muito provavelmente o West Ridge, que desapareceu com 28 tripulantes durante uma viagem de Inglaterra para a Índia. O navio pesava entre 1000 a 1500 toneladas. Segundo Ross Anderson, citado pela BBC, o navio foi encontrado relativamente intacto e em posição vertical no fundo do mar.

O outro navio encontrado estava a cerca de 36 km de distância daquele que tudo indica ser o West Ridge e foi detetado em maio de 2015. Neste caso, o casco era de madeira.

Estes são os destroços mais profundos até agora localizados no Oceano Índico, são alguns dos mais remotos naufrágios do mundo

"As provas apontam para o naufrágio do navio como resultado de um evento catastrófico, como uma explosão, o que era comum no transporte de cargas de carvão", revelou o investigador.

No entanto, Anderson duvida que seja possível confirmar com segurança a identidade dos dois destroços. Seria necessário ter o apoio de um benfeitor privado com bastante dinheiro, tendo em conta a profundidade em que estão as embarcações.

"Estes são os destroços mais profundos até agora localizados no Oceano Índico, são alguns dos mais remotos naufrágios do mundo", disse o curador australiano ao The Guardian.

A localização do MH370 permanece desconhecida mais de quatro anos depois do avião ter desaparecido com 239 pessoas a bordo, quando fazia a ligação entre Kuala Lumpur e Pequim. As buscas infrutíferas foram dadas como terminadas em janeiro de 2016, quando passavam 1046 dias da data do misterioso desaparecimento da aeronave.

Uma empresa privada norte-americana começou a procurar o aparelho no início de 2018, mas até agora ainda não foi encontrada qualquer pista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.