Prisão domiciliária para antigo arcebispo australiano condenado por encobrir abusos sexuais

No final de julho, o papa Francisco aceitou a renúncia de Philip Wilson, o mais alto responsável na hierarquia da igreja católica a ser condenado judicialmente pelo envolvimento num caso de pedofilia

O antigo arcebispo australiano Philip Wilson, condenado em julho a 12 meses de cadeia por encobrir crimes de abuso sexual de menores, vai cumprir a pena em prisão domiciliária, foi esta terça-feira anunciado.

O magistrado de Newcastle, Robert Stone, decidiu que Philip Wilson deverá cumprir pelo menos seis meses de prisão domiciliária antes de ser considerado elegível para um regime de liberdade condicional.

O mesmo juiz já tinha considerado, em maio, que o arcebispo, de 67 anos, era culpado por não ter informado a polícia sobre o abuso repetido de duas crianças, nos anos 70 do século passado, pelo padre James Fletcher, com quem colaborava na diocese de Maitland-Newcastle.

Fletcher foi condenado em 2004 a oito anos de prisão por nove casos de abuso sexual, mas morreu 13 meses depois, na sequência de um enfarte.

A igreja católica, com forte presença na Austrália, recebeu mais de 4 500 queixas por alegados abusos cometidos por mais de 1 800 membros da instituição, entre 1980 e 2015

Durante o julgamento, a defesa argumentou que o arcebispo, recentemente diagnosticado com a doença de Alzheimer, foi incapaz de comparecer perante o juiz devido ao impacto da doença nas "funções cognitivas".

Em finais de julho, o papa Francisco aceitou a renúncia de Wilson, o mais alto responsável na hierarquia da Igreja Católica a ser condenado judicialmente pelo envolvimento num caso de pedofilia.

A Igreja católica, com forte presença na Austrália, recebeu mais de 4.500 queixas por alegados abusos cometidos por mais de 1.800 membros da instituição, entre 1980 e 2015, embora alguns casos datem dos anos de 1920.

No início deste ano, vários arcebispos australianos condenaram a fraca resposta da Igreja católica aos casos de pedofilia, classificando-a de "negligência criminosa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.