Principal acesso a Luanda passa a mudar de sentido duas vezes por dia

A avenida Deolinda Rodrigues chega a ter engarrafamentos de várias horas, diariamente

A principal via de acesso da periferia ao centro de Luanda vai passar a funcionar no regime de sentido reversível, uma solução de recurso das autoridades locais para minimizar com o caótico da capital angolana.

A medida entra em vigor na terça-feira, na Estrada Nacional 230, que liga Luanda a Viana, num troço de 16 quilómetros que segundo informação da Polícia Nacional passará a ser feito, num único sentido, em 15 minutos.

De segunda a sexta-feira, este troço, entre o hipermercado Jumbo (Luanda) e a Comarca de Viana, vai passar a funcionar apenas no sentido da capital angolana entre as 05:00 e as 10:00 e no contrário, para a periferia, entre as 15:00 e as 21:00.

Nesta via, conhecida também como avenida Deolinda Rodrigues, chegam a registar-se engarrafamentos de várias horas, diariamente, um dos maiores constrangimentos de Luanda.

O sistema de "trânsito reversível", que obrigará os automobilistas que pretendam circular no sentido contrário a procurar vias alternativas, é apresentado como uma "resposta integrada" do Governo Provincial de Luanda à mobilidade na capital.

Segundo informação divulgada pela Polícia Nacional, a medida permitirá "maior mobilidade", ao mesmo tempo que "diminuirá o congestionamento" na capital angolana e o tempo de deslocação.

Permitirá ainda "prevenir acidentes rodoviários com causa no desgaste físico e psicológico derivados da exposição prolongada ao intenso tráfego rodoviário" em Luanda, acrescenta a polícia angolana, que vai coordenador o novo modelo de circulação.

Só na província de Luanda, de acordo com o recenseamento da população realizado em 2014, habitam mais de 6,5 milhões de pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

CPLP

Do ciclone às dívidas ocultas: as quatro tragédias de Moçambique

Ciclone Idai, escândalo das dívidas ocultas, conflito com grupos armados no norte e reconciliação lenta e pouco suave entre a Frelimo (no poder) e a Renamo (maior partido da oposição) marcam a realidade de Moçambique, país da CPLP com 29,7 milhões de habitantes que tem eleições gerais marcadas para 15 de outubro.