Inaugurado monumento aos soldados portugueses da I Guerra Mundial

É um vitral e é uma homenagem aos que morreram na I Grande guerra. A janela pode ser vista na Igreja de St. James, nos arredores de Londres, que era frequentada pelo rei Manuel II

O primeiro monumento de homenagem no Reino Unido aos soldados portugueses mortos durante a Primeira Guerra Mundial, um vitral, foi hoje inaugurado na igreja de St. James nos arredores de Londres que foi frequentada pelo rei Manuel II.

A janela é uma obra da artista Caroline Benyon, feita na sequência de uma campanha iniciada pelo pároco da igreja católica, Ulick Loring, após conhecer a ligação com o monarca português exilado em Twickenham após a proclamação da república em Portugal, em 1910.

"Quando cheguei aqui, ouvi histórias sobre o facto de o último rei de Portugal, Manuel II, frequentar esta igreja. E alguns anos depois decidimos instalar um memorial para ele e para a mulher. E foi durante a preparação que tive conhecimento de que os portugueses apoiaram os seus aliados durante a Primeira Guerra Mundial e que D. Manuel fez bastante trabalho humanitário pelos feridos da Primeira Guerra", recordou, em declarações à agência Lusa.

A ideia de criar um memorial permanente aos soldados mortos durante a Primeira Guerra Mundial surgiu "porque não existe mais nenhum neste país, apesar de descrevermos Portugal como os nossos aliados mais antigos. Por isso senti que estávamos a fazer justiça aos portugueses".

A janela dedicada aos soldados portugueses tem no topo o Arcanjo Miguel, o anjo da guerra, que simboliza os sacrifícios dos portugueses na guerra, uma imagem de soldados nas trincheiras e uma esfera armilar portuguesa.

Ao lado foi inaugurada outro vitral em homenagem a Manuel II, com a imagem do Arcanjo Gabriel, o anjo da cura, que representa o trabalho humanitário do rei em prol dos feridos da guerra, junto a uma enfermeira da Cruz Vermelha.

Um frequentador assíduo desta igreja, o diácono Nick Reynolds, elogiou as janelas, cuja instalação apoiou por ter também ligações familiares a Portugal.

"São muito bonitas, muito bonitas. E são uma boa memória, uma lembrança do passado e uma lembrança para sempre. Há muitos paroquianos que não ligavam tanto à história desta igreja. Mas hoje foi muito importante para dar mais importância ao que significa esta igreja e a ligação a Portugal", disse à Lusa.

Outra fiel da igreja, Antónia Alves Short, também mostrou orgulho pela homenagem, manifestando-se "emocionada" pela cerimónia realizada para a inauguração dos dois vitrais.

A missa teve direito a uma guarda de honra de veteranos militantes britânicos, que se apresentaram fardados, e outros dos presentes na cerimónia usaram as medalhas dos seus antepassados.

Centenário da Batalha de La Lys

A inauguração coincidiu com o 100.º aniversário da batalha de La Lys, em França, que resultou em mais de 7.000 baixas portuguesas entre mortos (400), feridos e 6.600 prisioneiros, sendo um dos mais mortíferos da história militar de Portugal.

A celebração na igreja de St. James foi dirigida pelo bispo John Wilson, sendo um dos adjuntos do cardeal Vincent Nichols, arcebispo de Westminster e líder da igreja Católica em Inglaterra e País de Gales, e incluiu alguns cantos em português, incluindo o hino nacional.

O embaixador de Portugal no Reino Unido, Manuel Lobo Antunes, disse que foi "uma homenagem mais do que justa", pela qual se manifestou "muito agradecido e muito comovido".

Referindo a ligação que a paróquia mantém ainda hoje com Manuel II, o diplomata entendeu que foi feita "uma justa homenagem aos portugueses que morreram nos campos da Flandres, em França, mas também à memória de um rei que é estimado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.