"A minha vida está em risco". Primeiro-ministro demite-se

Saad Hariri, anunciou inesperadamente a sua demissão, acusando o movimento xiita Hezbollah e o seu aliado iraniano de "controlo" sobre o Líbano e afirmando recear ser assassinado

"Anuncio a minha demissão do cargo de primeiro-ministro", declarou Saad Hariri, que está atualmente a visitar a Arábia Saudita, numa declaração transmitida pelo canal televisivo Al-Arabiya, com sede no Dubai, e reproduzida por televisões locais e pela agência oficial NNA.

Na sua declaração, Saad Hariri criticou o Irão e o grupo xiita que fazem parte do Governo que liderou até agora.

A demissão de Saad Hariri ocorre um ano depois da sua nomeação para o cargo

"Sinto que a minha vida está em risco", disse o político, afirmando que o Líbano vive uma situação semelhante àquela que existia em 2005 antes do assassinato do seu pai, Rafik Hariri, ex-primeiro-ministro. Quatro membros do Hezbollah foram relacionados com esta morte.

O Hezbollah é um aliado importante do regime de Bashar al-Assad na guerra na vizinha Síria. É apoiado por Teerão e é o único partido libanês a ter mantido as suas armas depois do fim da guerra civil no Líbano, entre 1975 e 1990, o que é um ponto de discórdia no país.

O Irão tem um controlo sobre o destino dos países da região (...) O Hezbollah é o braço do Irão não somente no Líbano, mas também nos outros países árabes

"Nos últimos decénios, o Hezbollah impôs uma situação conseguida pela força das suas armas", acrescentou o primeiro-ministro demissionário, que leu o seu discurso sentado a uma secretária, em frente de uma bandeira libanesa.

O Líbano assistiu a várias divisões com a guerra na Síria, entre opositores e defensores do regime de Damas. Saad Hariri é contra o regime sírio.

.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.