Primeiro-ministro italiano ameaça demitir-se

Primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, ameaçou demitir-se na segunda-feira à noite se os líderes da Liga e do Movimento 5 Estrelas não pararem com as suas disputas constantes

Como um professor que ralha aos meninos mal comportados na sala de aula, o primeiro-ministro italiano ameaçou na segunda-feira à noite que se demite se os líderes dos dois partidos de coligação que formam o governo não acabarem de uma vez por todas com as suas disputas, acusações e desconfianças.

"Eu não estou para andar aqui à deriva", avisou Giuseppe Conte, deixando um ultimato a Matteo Salvini e a Luigi Di Maio: "Se eles não assumirem as suas responsabilidades eu demito-me".

Os líderes da Liga e do Movimento 5 Estrelas, aliados numa coligação improvável desde 2018, têm andado às avessas pelos mais diversos temas, desde a cedência de um convento cartuxo para criar a escola de nacionalistas de Steve Bannon, até à demissão do sub-secretário de Estado dos Transportes por suspeitas de corrupção e de ligações à máfia, passando pela intenção de suspender, durante dois anos, o rígido código de conduta que retira autonomia às regiões e estabelece regras muito apertadas para a construção de novos edifícios.

A suspensão do código, criado para evitar a proliferação de negócios da máfia, é proposta pela Liga de Salvini. O ministro dos Transportes, Danilo Toninelli, membro do 5 Estrelas, classificou a ideia como "estúpida" e, à rádio 24, considerou que ela "tem apenas um objetivo" que é o de "criar um pretexto para criar o caos e fazer cair o governo".

Face às ameaças de Conte, tanto Salvini como Di Maio prometeram entender-se, mas não se sabe até quando. O próprio vice-primeiro-ministro e ministro do Interior, que gosta de agir como se fosse ele o primeiro-ministro de Itália, estabeleceu um prazo. "Se, após umas quantas semanas, percebermos que continuamos a dizer as mesmas coisas, com os mesmos atrasos, com os mesmos adiamentos, então sim teremos um problema", declarou Salvini, à rádio RTL.

Além de ter dito que se demitia, Conte disse também a Salvini que a Itália tem que cumprir as regras fiscais da UE, até que consiga promover a mudanças das mesmas porque, neste momento, Roma não tem dinheiro e não pode assegurar a despesa necessária para cumprir as promessas que ele tem feito aos eleitores.

Na quarta-feira, espera-se que a Comissão Europeia imponha procedimentos contra os italianos por questões orçamentais, numa altura em que o governo Conte-Salvini-Di Maio falhou em reduzir o défice. Recorde-se que, pela primeira vez na história da instituição, na fase do visto prévio, Bruxelas chumbou o Orçamento do Estado para 2019 de Itália.

Eleições antecipadas são um cenário que, neste momento, interessa mais a Salvini do que a Di Maio, uma vez que a Liga continua a subir nas intenções de voto e venceu as eleições europeias de maio. O 5 Estrelas, por outro lado, continua a cair tendo sido ultrapassado nas europeias pelo Partido Democrático de Nicola Zingaretti.

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.