Presidente de Angola começa visita oficial à Alemanha com foco no investimento económico

Economia, transportes, cultura e energia são algumas das áreas em destaque durante a visita, na qual João Lourenço se vai encontrar com Angela Merkel

O Presidente angolano, João Lourenço, começa hoje uma visita oficial de dois dias à Alemanha, a convite da chanceler alemã Angela Merkel, deslocação encarada com a expectativa de atrair investimento alemão para Angola.

Durante a visita, João Lourenço, que é acompanhado por uma importante delegação empresarial, irá encontrar-se com Merkel e assistirá à abertura do Sétimo Fórum Económico Angola-Alemanha.

Sábado, a propósito da visita oficial de João Lourenço à Alemanha, num comunicado divulgado em Luanda, a missão diplomática germânica em Angola disse que Berlim pretende apoiar Angola na diversificação económica, apostando nas áreas da economia, transportes e cultura.

No documento, a missão diplomática germânica adianta que a energia é outras das áreas em destaque durante a visita, em que serão, paralelamente, assinados vários protocolos de cooperação neste e noutros domínios.

Para Berlim, a visita de João Lourenço, a convite de Angela Merkel, constituirá um "passo importante" para continuar a desenvolver a "parceria abrangente" entre os dois países.

"O Governo alemão está convicto que Angola é um parceiro indispensável em África e no mundo", lê-se no comunicado.

Na agenda, João Lourenço, além de uma reunião de trabalho com Angela Merkel, será recebido pelo seu homólogo alemão, Frank-Walter Steinmeier.

O chefe de Estado angolano vai, também, participar numa conferência económica que tem por objectivo o aprofundamento das relações comerciais entre a Alemanha e Angola.

Trata-se da primeira visita oficial de João Lourenço à Alemanha desde que foi eleito Presidente da República, em agosto do ano passado.

A 10 deste mês, o ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, salientou haver "grandes expectativas" dos dois países no fortalecimento das relações económicas e empresarias, "em que há muito potencial por explorar".

Prova disso é o facto de o Presidente de Angola ser acompanhado na visita por uma vasta delegação empresarial angolana, que participará no fórum económico com homólogos alemães, iniciativa que, a partir de agora, será institucionalizada sempre que João Lourenço efetuar uma visita oficial ao estrangeiro.

A ideia, sublinhou Manuel Augusto, é "associar o setor privado às visitas presidenciais" para apresentar o potencial de investimento em Angola a empresários estrangeiros e contribuir para o desenvolvimento do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.