Presidente de Angola começa visita oficial à Alemanha com foco no investimento económico

Economia, transportes, cultura e energia são algumas das áreas em destaque durante a visita, na qual João Lourenço se vai encontrar com Angela Merkel

O Presidente angolano, João Lourenço, começa hoje uma visita oficial de dois dias à Alemanha, a convite da chanceler alemã Angela Merkel, deslocação encarada com a expectativa de atrair investimento alemão para Angola.

Durante a visita, João Lourenço, que é acompanhado por uma importante delegação empresarial, irá encontrar-se com Merkel e assistirá à abertura do Sétimo Fórum Económico Angola-Alemanha.

Sábado, a propósito da visita oficial de João Lourenço à Alemanha, num comunicado divulgado em Luanda, a missão diplomática germânica em Angola disse que Berlim pretende apoiar Angola na diversificação económica, apostando nas áreas da economia, transportes e cultura.

No documento, a missão diplomática germânica adianta que a energia é outras das áreas em destaque durante a visita, em que serão, paralelamente, assinados vários protocolos de cooperação neste e noutros domínios.

Para Berlim, a visita de João Lourenço, a convite de Angela Merkel, constituirá um "passo importante" para continuar a desenvolver a "parceria abrangente" entre os dois países.

"O Governo alemão está convicto que Angola é um parceiro indispensável em África e no mundo", lê-se no comunicado.

Na agenda, João Lourenço, além de uma reunião de trabalho com Angela Merkel, será recebido pelo seu homólogo alemão, Frank-Walter Steinmeier.

O chefe de Estado angolano vai, também, participar numa conferência económica que tem por objectivo o aprofundamento das relações comerciais entre a Alemanha e Angola.

Trata-se da primeira visita oficial de João Lourenço à Alemanha desde que foi eleito Presidente da República, em agosto do ano passado.

A 10 deste mês, o ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, salientou haver "grandes expectativas" dos dois países no fortalecimento das relações económicas e empresarias, "em que há muito potencial por explorar".

Prova disso é o facto de o Presidente de Angola ser acompanhado na visita por uma vasta delegação empresarial angolana, que participará no fórum económico com homólogos alemães, iniciativa que, a partir de agora, será institucionalizada sempre que João Lourenço efetuar uma visita oficial ao estrangeiro.

A ideia, sublinhou Manuel Augusto, é "associar o setor privado às visitas presidenciais" para apresentar o potencial de investimento em Angola a empresários estrangeiros e contribuir para o desenvolvimento do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.