Erdogan adverte EUA pelas sanções anunciadas por Trump à Turquia

"Não podem forçar a Turquia a recuar com sanções", disse Erdogan. Em causa está a detenção de um pastor norte-americano pelas autoridades turcas

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, advertiu os Estados Unidos que as sanções não vão forçar Ancara a "recuar" após as ameaças do Presidente norte-americano, Donald Trump, pela libertação de um pastor.

"Não podem forçar a Turquia a recuar com sanções", disse Erdogan ao diário turco Hurriyet, nos seus primeiros comentários publicados este domingo sobre as ameaças de Trump.

"Os Estados Unidos não devem esquecer que podem perder um parceiro forte e sincero como a Turquia se não mudarem de atitude", disse o presidente turco

O Presidente norte-americano anunciou, na quinta-feira, "sanções significativas" contra a Turquia, se o país não libertar "imediatamente" o pastor Brunson.

"Os Estados Unidos não devem esquecer que podem perder um parceiro forte e sincero como a Turquia se não mudarem de atitude", disse o Presidente turco, cujo país é membro da NATO.

A prisão do pastor norte-americano Andrew Brunson, que organizou uma igreja protestante na cidade de Izmir, é um dos muitos casos que tem prejudicado a relação entre Ancara e Washington e a ameaça de sanções contra a Turquia aumentou a tensão entre os dois países.

Já na quinta-feira, a Presidência turca havia alertado que Washington "pode não alcançar o resultado desejado ameaçando a Turquia".

O pastor foi colocado em prisão domiciliária, na quarta-feira, após estar preso desde outubro de 2016 na Turquia.

O julgamento de Andrew Brunson já está a decorrer desde a primavera.

As autoridades turcas acusam-no de terrorismo e espionagem e de ter atuado em conivência com a rede do religioso Fethullah Gulen, que vive nos Estados Unidos e é acusado de ser o líder da tentativa de golpe de Estado na Turquia em 2016, e com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK)..

O pastor, que rejeita as acusações, corre o risco de receber uma pena de até 35 anos de prisão.

Ler mais

Exclusivos