Duterte oferece 400 euros a quem matar um rebelde comunista

Duterte argumentou que pagar 25 mil pesos a qualquer um que mate um terrorista é mais barato para o Estado do que financiar uma guerra contra o Novo Exército do Povo (NEP)

O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, ofereceu recompensas de quase 500 dólares, a quem matar um rebelde comunista do Novo Exército do Povo (NEP), informaram esta quinta-feira fontes oficiais.

"Se matar um (membro do) NEP hoje, pagarei 25 mil pesos (487 dólares ou 391 euros)", disse Duterte, de acordo com a transcrição oficial de um discurso pronunciado em Cebu, no centro do país, na quarta-feira.

"Se consegue atirar e acertar num pássaro que está a voar acima si, como não pode acertar num NEP que tem uma cabeça maior?", disse Duterte, arrancando o riso da audiência, e sem dar mais detalhes sobre a oferta.

O Novo Exército do Povo é uma guerrilha ativa que está nas listas de grupos terroristas das Filipinas, dos Estados Unidos e da União Europeia.

O Presidente estava a responder ao líder do Partido Comunista das Filipinas, José María Sison, em exílio na Holanda, que disse na semana passada que o NEP é capaz de matar um soldado por dia.

Duterte argumentou que pagar 25 mil pesos a qualquer um que mate um terrorista seria mais barato para o estado do que financiar uma guerra contra esta organização comunista, que tem uma grande presença nas áreas rurais do país, onde muitas vezes realiza extorsões e ataques.

Os críticos do chefe de estado das Filipinas protestaram pelas suas declarações, considerando que incita a homicídios extrajudiciais como os alegadamente cometidos na sua controversa "guerra contra as drogas", de que já terão resultado 7.000 mortos, de acordo com algumas estimativas.

É a segunda vez em poucos dias que Duterte é objeto de controvérsia pelas suas declarações relacionadas com a NEP, já que, no domingo, pediu aos soldados que atirem nos órgãos genitais mulheres integrantes do grupo, o que lhe valeu a condenação organizações locais e internacionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.