Portugueses criam lóbi na Califórnia para apoiar candidaturas portuguesas

Luso-americanos avançam com processo de constituição de comité de ação política para promover interesses da comunidade

A coligação de luso-americanos na Califórnia (CPAC, na sigla em inglês) avançou com o processo de constituição de um comité de ação política para promover os interesses da comunidade e apoiar candidaturas de origem portuguesa.

O objetivo da coligação é que este comité de ação política seja aprovado a tempo de exercer influência nas eleições intercalares de 06 de novembro nos Estados Unidos, disse à Lusa o presidente da CPAC, Diniz Borges.

Com um comité estabelecido, será possível à coligação "ter atividade de angariação de fundos para depois contribuir para os candidatos", disse Diniz Borges, sublinhando que a organização é apartidária e pretende apoiar candidaturas de lusodescendentes independentemente das cores políticas.

O foco estará nas eleições locais, explicou o responsável, já que a CPAC quer também "incentivar mais lusodescendentes a concorrerem para cargos públicos na Califórnia".

A comunidade "não tem tido uma forte presença política em Washington ou mesmo em Sacramento", afirmou Diniz Borges, pelo que a ideia será "começar por apostar a nível local".

Esta será uma suborganização em conformidade com as leis eleitorais da Califórnia, já que a CPAC não tem fins lucrativos e "não pode ter uma ação direta nas campanhas", o que significa que está impedida de "contribuir para um candidato de origem portuguesa", sublinhou.

A coligação está a fazer um inventário dos oficiais luso-americanos eleitos no Estado, que neste momento contabiliza 88, "desde câmaras municipais a direções escolares."

A nível estadual e nacional, há três políticos lusos eleitos nesta região: David Valadão, Jim Costa e Devin Nunes, nenhum dos quais chegou ao poder "com os votos dos portugueses", que nesses distritos representam menos de 5% da população.

Diniz Borges reconheceu que já se veem mais lusodescendentes a candidatarem-se e exemplificou com Zachery Ramos, jovem de 19 anos candidato a mayor na cidade de Gustine.

O "atual clima político da América" está a atrair pessoas que nunca tinham pensado candidatar-se "e isso é bom", mas os lusodescendentes "ainda não estão muito vocacionados para a participação política", considerou.

A iniciativa do PAC é inspirada noutros grupos étnicos, que embora tenham menor expressão populacional, como a comunidade greco-americana, estabeleceram grupos de pressão.

"A comunidade portuguesa pouco a pouco começa a consciencializar-se que é muito bom ter as festas e os eventos recreativos, mas também há que investir um bocadinho na nossa presença política", afirmou o presidente.

"Somos riquíssimos em associações culturais, desportivas e romarias em cada esquina, mas não tínhamos uma organização que estivesse vocacionada a nível do estado da Califórnia para o envolvimento político", disse, explicando o motivo para a constituição da CPAC em 2016 e do comité de ação política em preparação.

Para a comunidade "ter outra relevância no futuro" é preciso "passar a ter um grupo de pressão, um grupo de lóbi em Sacramento", a capital daquele estado norte-americano.

Uma maior participação política lusa trará mais atenção a questões importantes para a comunidade, como o ensino de língua portuguesa e as licenças que são dadas para fazer festas e romarias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.