Porta-voz da Casa Branca expulsa de restaurante por trabalhar para Trump

Sarah Huckabee Sanders relatou o episódio, que ocorreu na mesma semana em que a secretária de Estado da Segurança Interna foi vaiada num restaurante

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, relatou este sábado que foi expulsa de um restaurante no estado norte-americano da Virgínia por trabalhar para o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Sanders, que assim se tornou o mais recente membro da Administração Trump a ser mal recebida num local público, contou na rede social Twitter que o proprietário do restaurante The Red Hen, em Lexington, Virgínia, lhe disse que tinha de se ir embora.

"[Ele disse-me que eu tinha de] sair, porque trabalho para @POTUS, e eu, educadamente, fui-me embora", escreveu.

Segundo a porta-voz, o episódio, ocorrido na sexta-feira à noite, diz mais sobre o dono do restaurante do que sobre ela.

"Faço sempre o melhor que posso para tratar as pessoas, inclusive aquelas de quem discordo, com respeito e continuarei a fazê-lo", 'tweetou' Sarah Sanders na sua conta oficial, tendo obtido 22.000 respostas em cerca de uma hora.

A forma como a secretária de Imprensa da Casa Branca foi tratada no restaurante desencadeou um frenesim nas redes sociais, com pessoas de ambos os lados a pronunciarem-se sobre o sucedido, incluindo o seu pai, o antigo governador do Arkansas e candidato presidencial republicano Mike Huckabee.

"Preconceito. Na ementa do Restaurante Red Hen, em Lexington, Virgínia. Ou então, podem pedir 'uma dose de ódio'. E a entrada é 'porções pequenas para mentes tacanhas'", escreveu Huckabee no Twitter, rapidamente gerando 2.000 respostas em cerca de 30 minutos.

No site Yelp, um crítico de Los Angeles escreveu sobre o restaurante: "Não coma aqui se for Republicano".

Mas, muitos outros críticos apoiaram a atitude do proprietário do restaurante.

"Recomendado 12/10. Bónus: este sítio é gerido por pessoas que defendem as suas convicções e são verdadeiros americanos. OBRIGADO!!!", escreveu um comentador de Commerce City, Colorado.

A separação de crianças das famílias de imigrantes que querem entrar nos Estados Unidos pela fronteira sul intensificou divergências políticas que já se encontravam em níveis elevados durante a presidência Trump.

No início desta semana, a secretária da Administração Interna de Trump, Kirstjen Nielsen, deu abruptamente por concluído um jantar de trabalho num restaurante mexicano em Washington depois de manifestantes repetirem "Vergonha!" até ela se ir embora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.