População da Austrália poderá atingir os 25 milhões de habitantes

Primeiro-ministro quer reduzir para cerca de 80 mil o número de migrantes que todos os anos chegam ao país

Esta terça-feira a população da Austrália deverá chegar aos 25 milhões de habitantes, o que desencadeou um debate sobre a migração e o congestionamento das cidades. Um dos tópicos a debater será sobre a evolução da migração, que poderá ter um rápido crescimento ou continuar a beneficiar a população.

Enquanto as cidades de Sydney e Melbourne contam com cerca de dois quintos da população, a maioria dos habitantes australianos concentra-se junto à costa. O governo local quer que as pessoas procurem locais alternativos a estas duas metrópoles.

No último ano, a população da Austrália cresceu 1,6%, correspondendo a cerca de 388 mil pessoas. Destes, 62% eram migrantes provenientes maioritariamente da Índia, da China, do Reino Unido, das Filipinas e de África do Sul.

Segundo o Banco Mundial, a população da Austrália, em termos de demografia, ocupa a 77.ª posição do ranking mundial, sendo que a média da população ultrapassa os 1,1%. Por outro lado, dentro da OCDE verifica-se um rápido crescimento de países como o Luxemburgo, a Turquia, a Nova Zelândia e Israel.

"Se compararmos a Austrália com outros países semelhantes, estamos concentrados ao longo da costa leste. Não estamos a maximizar toda a terra firme. Parece que crescemos mais do que para cima, e isso causou alguma preocupação e pressão na infraestrutura. Tem havido muito planeamento para as cidades e o futuro", disse à BBC a demógrafa Liz Allen, ao mesmo tempo em que argumentou que a Austrália tem mantido a sua taxa atual desde 1947 (11,6%), apesar de se verificar um aumento de 2,1% em 2009.

Ainda segundo Allen, o ideal seria haver entre 160 mil e 210 mil migrantes. "Esta ótima faixa terá os melhores impactos no PIB per capita. A migração está a dar vida a esta nação", afirmou.

O Gabinete Australiano de Estatísticas dá conta do facto de 67% da população residir nas capitais estatais e territoriais, excetuando Hobart, com 44% da população da Tasmânia, e Brisbane, com 49% da população de Queensland.

20% do território australiano é considerado um deserto, o que levou o governo a considerar que tenha havido um "problema de distribuição". "Existem várias cidades na Austrália que querem mais pessoas", disse esta terça-feira o ministro da cidadania australiano Alan Tudge.

Já o primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, quer reduzir para cerca de 80 mil o número de migrantes que todos os anos chegam ao país.

"Neste momento, temos salários estagnados, moradias inacessíveis, infraestruturas congestionadas, e não há dúvidas de que a taxa de imigração tem um impacto sobre todas estas coisas", disse Abbott à rádio australiana 2GB.

Porém, a oposição não concorda com estas afirmações, e baseia-se em estudos da OCDE para sustentar a teoria de que os migrantes quase não tiveram efeito nos preços das habitações.

Entretanto, o tesoureiro australiano, Scott Morrison, disse que a redução da migração irá provocar efeitos negativos na economia local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).