Polícias garantem que ratos comeram meia tonelada de marijuana

Meia tonelada de marijuana desapareceu e oito polícias foram detidos. Os agentes garantem que foram os ratos que comeram a droga. Cientistas dizem que é impossível

Qual é a explicação para o desaparecimento de meia tonelada de marijuana de um armazém da polícia argentina? Os ratos comeram a droga. Foi esta a justificação insólita dos oito agentes da autoridade que foram despedidos depois de se perceber que faltavam 540 quilogramas de marijuana do armazém da cidade de Pilar, a 60 quilómetros de Buenos Aires.

Há dois anos, tinham dado entrada no armazém seis toneladas de marijuana, mas após uma auditoria, a polícia argentina percebeu que uma significativa quantidade de droga tinha desaparecido. Faltava meia tonelada.

De acordo com o The Guardian, o principal suspeito é o antigo comissário da polícia na cidade de Pilar, Javier Specia. Ele não terá assinado o inventário relacionado com a apreensão de droga quando deixou o cargo em abril do ano passado. O seu sucessor, o comissário Emilio Portero, foi quem deu pela falta dos 540 quilogramas de marijuana do armazém. Notificou a divisão dos assuntos internos da polícia.

No tribunal, Specia e três dos seus antigos subordinados deram a mesma justificação. Ao juiz disseram: A droga que desapareceu "foi comida por ratos".

A explicação surpreendeu, mas não convenceu. "Especialistas da Universidade de Buenos Aires explicaram que os ratos não podiam ter confundido droga por comida. Se isso tivesse acontecido, tinham encontrado um grande número de cadáveres [de ratos] no armazém", afirmou um porta-voz do juiz. Aliás, "nem um grande número de animais conseguiria comer tanta marijuana", referiram os cientistas forenses, citados pelo The Guardian.

A 4 de maio, os agentes vão regressar ao tribunal para testemunhar. Será que mantêm a mesma versão?

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.