Polícia turca trava marcha de orgulho LGBT

A polícia turca estabeleceu hoje numerosos controlos em torno da praça Taksim, no centro de Istambul, para impedir a marcha anual do orgulho LGBT (lésbicas, 'gays', bissexuais, travestis, transexuais e transgénero).

Os agentes da polícia, acompanhados por cães, não permitiram a passagem de pessoas envergando cartazes, faixas, bandeiras de arco-íris ou roupas similares.

Apesar do controlo policial, cerca de duzentas pessoas conseguiram concentrar-se na Rua Istiklal, onde cantaram 'slogans' como "Amor e Liberdade", dançaram e aplaudiram.

Os coordenadores da marcha leram um comunicado de imprensa em que denunciavam "crimes de ódio e violência policial".

"O governo acredita que as pessoas LGBT são uma ameaça", disse à agência EFE uma das coordenadoras da marcha, que se identificou como Gökçe.

"O governo não acredita na igualdade entre as pessoas, vê 'gays', lésbicas e transexuais como pessoas doentes, hoje eles não permitiram que muitas pessoas tivessem acesso às ruas do centro por causa de sua aparência", acrescentou.

Esta é a quarta vez consecutiva que o governo turco, formado pelo partido islâmico AKP, proíbe a marcha LGBT que se realiza em Istambul desde 2003 e que, até 2014, registou uma participação maior a cada ano, atingindo dezenas de milhares de pessoas numa atmosfera festiva e pacífica.

Porém, a partir de 2015, o gabinete do governador da cidade proibiu o evento, justificando com o facto de o mesmo coincidir com o Ramadão ou porque "prejudica o turismo".

Ler mais

Exclusivos