Polícia turca trava marcha de orgulho LGBT

A polícia turca estabeleceu hoje numerosos controlos em torno da praça Taksim, no centro de Istambul, para impedir a marcha anual do orgulho LGBT (lésbicas, 'gays', bissexuais, travestis, transexuais e transgénero).

Os agentes da polícia, acompanhados por cães, não permitiram a passagem de pessoas envergando cartazes, faixas, bandeiras de arco-íris ou roupas similares.

Apesar do controlo policial, cerca de duzentas pessoas conseguiram concentrar-se na Rua Istiklal, onde cantaram 'slogans' como "Amor e Liberdade", dançaram e aplaudiram.

Os coordenadores da marcha leram um comunicado de imprensa em que denunciavam "crimes de ódio e violência policial".

"O governo acredita que as pessoas LGBT são uma ameaça", disse à agência EFE uma das coordenadoras da marcha, que se identificou como Gökçe.

"O governo não acredita na igualdade entre as pessoas, vê 'gays', lésbicas e transexuais como pessoas doentes, hoje eles não permitiram que muitas pessoas tivessem acesso às ruas do centro por causa de sua aparência", acrescentou.

Esta é a quarta vez consecutiva que o governo turco, formado pelo partido islâmico AKP, proíbe a marcha LGBT que se realiza em Istambul desde 2003 e que, até 2014, registou uma participação maior a cada ano, atingindo dezenas de milhares de pessoas numa atmosfera festiva e pacífica.

Porém, a partir de 2015, o gabinete do governador da cidade proibiu o evento, justificando com o facto de o mesmo coincidir com o Ramadão ou porque "prejudica o turismo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.