Polícia investiga desaparecimento de cofundador da Wikileaks

Segundo a Wikileaks, Kamphuis tinha um bilhete de avião para 22 de agosto, com partida de Trondheim, a mais de 700 quilómetros a sul de Bodo.

A polícia norueguesa informou este domingo estar a investigar o desaparecimento de um sócio do fundador da Wikileaks Julian Assange, Arjen Kamphuis, um especialista em cibersegurança visto pela última vez há quase duas semanas no norte da Noruega. "Abrimos um inquérito", disse um porta-voz da polícia, Tommy Bech, citado pela agência noticiosa francesa AFP, acrescentando não ter qualquer ideia de onde poderá encontrar-se o cidadão holandês.

A polícia "recusa-se a especular sobre o que poderá ter-lhe acontecido".

A publicação online Wikileaks, que se celebrizou em 2010 pela divulgação de comprometedores documentos secretos militares norte-americanos, referiu no sábado na rede social Twitter, "o estranho desaparecimento" de Kamphuis, precisando que ele foi visto pela última vez a 20 de agosto a abandonar o seu hotel em Bodo, no norte da Noruega.

Segundo a Wikileaks, Kamphuis tinha um bilhete de avião para 22 de agosto, com partida de Trondheim, a mais de 700 quilómetros a sul de Bodo."O percurso de comboio entre as duas localidades demora cerca de 10 horas", precisou a Wikileaks, assim desencadeando o surgimento de muitas teorias da conspiração no Twitter sobre o que terá acontecido a Arjen Kamphuis.

Julian Assange, um cidadão australiano de 47 anos, está desde 2012 refugiado na embaixada do Equador em Londres para fugir à Justiça norte-americana, que quer julgá-lo pela publicação na Wikileaks dos ditos documentos militares e mensagens diplomáticas norte-americanos classificados como secretos.

Ler mais