Polícia norte-irlandesa detém responsável pelo assassínio de jornalista

A polícia da Irlanda do Norte anunciou esta terça-feira que prendeu uma mulher no âmbito da lei antiterrorismo, pelo homicídio da jornalista Lyra McKee.

A mulher, de 57 anos, foi presa hoje no âmbito das ações antiterroristas (Terrorism Act).

Um grupo dissidente do Exército Republicano Irlandês (IRA, sigla em inglês) admitiu que um dos seus "voluntários" matou McKee.

A jornalista foi morta a tiros enquanto relatava tumultos que estavam a ocorrer em Londonderry.

Num comunicado divulgado hoje no Irish News , o Novo IRA pediu desculpas "completas e sinceras" à família e amigos de McKee.

O grupo disse que a jornalista, de 29 anos, foi morta durante a agitação da noite de quinta-feira "enquanto estava ao lado das forças inimigas" - uma referência à polícia.

O IRA e a maioria dos outros grupos separatistas desarmaram-se desde o acordo de paz da Irlanda do Norte, em 1998.

O Novo IRA foi formado por grupos dissidentes opostos ao processo de paz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".