Polícia descarta hipótese de fogo posto na Notre-Dame

Relatório preliminar das autoridades aponta cigarro ou curto-circuito como causas mais prováveis para o incêndio que destruiu parcialmente a catedral

A procuradoria de Paris descartou a hipótese de fogo posto na catedral de Notre-Dame, noticia o jornal francês Le Figaro esta quarta-feira. O jornal cita um comunicado da procuradoria de Paris, revelando ainda que a investigação judicial está neste momento focada na hipótese de incêndio involuntário.

O procurador Rémy Heitz disse, em declarações citadas pelo Le Figaro, que "neste momento não há provas que sustentem a hipótese criminal", mas acrescentou que ainda não é possível "determinar as causas do fogo". Ganha força a tese do incêndio ter sido provocado por um cigarro mal apagado ou por um curto-circuito.

Para já, segundo o procurador, a investigação está a ser feita no âmbito de um processo movido pelo Ministério Público contra desconhecidos por danos involuntários pelo fogo.

No dia 16 de abril o mundo assistiu incrédulo ao violento incêndio que deflagrou na Catedral de Notre-Dame e que devastou uma boa parte do monumento com mais de 800 anos de história. A destruição total do edifício foi evitada por uma questão de "15 a 30 minutos", segundo Laurent Nuñez, secretário de Estado do interior francês, que anunciou uma equipa de 50 pessoas a investigar o caso.