Instituição pública sugere casamento de raparigas a partir dos 9 anos

Na Turquia, a idade legal para o casamento está fixada nos 18 anos

A direção turca dos assuntos religiosos (Diyanet), uma poderosa instituição pública, está sob fortes criticas da oposição e ONG após ter afirmado, segundo os 'media' locais, que as raparigas poderão casar-se a partir da idade de nove anos.

O diário Hürriyet assegurou que a Diyanet declarou terça-feira, na sua página digital oficial, que a idade mínima de casamento era de nove anos para as raparigas e 12 anos para os rapazes.

A declaração, apresentada sob a forma de uma nota explicativa relativa à lei islâmica, foi depois retirada da página devido à polémica.

Na Turquia, a idade legal para contrair matrimónio está fixada nos 18 anos, com a lei turca a autorizar o casamento a partir dos 16 anos em circunstâncias excecionais.

Um responsável da Diyanet, Ekrem Keles, afirmou na quinta-feira ao Hürriyet que a idade mínima de casamento deveria ser de 17 anos para uma rapariga e 18 anos para um rapaz.

Estas afirmações originaram uma intensa polémica na Turquia, onde, apesar da lei, o casamento de crianças é uma realidade, e quando prosseguem as medidas para uma melhor educação das raparigas.

Gaye Usluer, deputado do Partido Republicano do Povo (CHP, social-democrata), principal formação da oposição no parlamento, acusou o Governo de se interessar "pela forma de casar as crianças de baixa idade quando são necessárias discussões sobre a educação e saúde das crianças".

Grupos de defesa dos direitos das mulheres também se insurgiram contra as declarações da Diyanet, acusando-a de legitimar as agressões sexuais contra as crianças.

O organismo de assuntos religiosos publicou de imediato um comunicado afirmando que "nunca aprovou nem aprovará os casamentos de crianças", e que apenas se limitou a descrever a lei islâmica.

De acordo com a agência noticiosa France-Presse, os grupos de defesa das mulheres manifestaram a sua inquietação pelo facto de esta declaração surgir algumas semanas após a promulgação de uma lei que autoriza dos 'muftis', académicos religiosos empregados pela Diyanet, a celebrarem casamentos civis.

Homem forte do país desde 2003, o Presidente Recep Tayip Erdogan tem sido acusado por setores oposicionistas de pretender islamizar a sociedade turca, um propósito que tem firmemente desmentido.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.