"Perante os protestos sociais, as instituições tiveram de reagir"

Os grupos feministas de Espanha lideram os protestos surgidos de forma espontânea em todo o país depois de ser conhecida a sentença da Manada. Cinco homens foram condenados a nove anos de prisão por abuso sexual e não violação de uma jovem nas festas de San Fermín, em Pamplona, em 2016. Marisa Soleto, diretora da Fundação Mulheres e licenciada em Direito, explica ao DN o sentimento de deceção que existe na sociedade espanhola e o impacto que pode ter a pressão social na legislação. É otimista e confia que entre todas as mulheres seja possível mudar esta "injustiça".

A sentença contra a Manada foi totalmente inesperada?

Entrava dentro dos cenários possíveis. Existia uma grande expectativa em Espanha por ver o que a Justiça entendia por violência sexual contra as mulheres. Lamentavelmente o que aconteceu com a jovem não é considerado violação e os cinco acusados, em lugar de penas de 22 anos, foram condenados a penas de nove anos. Porquê? Pela diferença que existe entre abuso sexual, sem intimidação ou violência, e agressão sexual, com intimidação. A imensa maioria das pessoas considera que numa situação em que cinco homens levam uma mulher para dentro do hall de entrada de um prédio existe pelo menos intimidação. Mas o tribunal entendeu que só houve uma situação de certo abuso de posição de autoridade.

Pouco depois de se conhecer a sentença grupos de mulheres saíram às ruas em sinal de protesto. Porquê?

A justiça deve perguntar o que é que está a acontecer. Se o que faz não se percebe como justo, tem um sério problema. A sociedade não está a pedir nada de excecional.

As mulheres espanholas gritam juntas "Não é Não"...

É um grito em Espanha e na Europa. Na Alemanha houve um debate parecido há uns anos. Está também relacionado com a legislação internacional, que deve ser mais precisa nestes casos. Mas a verdade é que há um consenso total entre as mulheres. Episódios como os vividos ontem [na quinta-feira], com as mulheres a manifestarem-se de forma espontânea em todo o país, demonstram que desde o movimento feminista estamos a fazer bem as coisas.

Como é que o movimento feminista está a intervir na sociedade?

Colaboramos no processo de sensibilização social. Existe uma coligação de organizações feministas, bem organizadas, e mesmo com diferenças entre umas e outras há um consenso grande no que se refere à violência sexual. No último 8 de março, Dia da Mulher, vimos uma manifestação multitudinária na defesa dos nossos direitos. E temos uma luta muito ativa contra a violência de género, com manifestações todos os meses em distintas cidades. Provavelmente vamos ter nos próximos dias novas atuações e mobilizações. Está programada uma mobilização para pedir mais orçamento ao Estado para lutar contra a violência de género. É suposto aproveitar a ocasião para reclamar mudanças na legislação. O movimento feminista tem apoio de muitas mulheres, também das universitárias, e todas percebem que houve uma vulneração da mulher. Encurralar e assediar é delito. Vamos ter de explicar isto aos juízes.

Manifestações, petições para afastar os juízes... Esta sentença vai marcar um antes e um depois em Espanha?

Está a ser um grande estímulo na luta por esta causa. Desde o início houve um grande interesse mediático. Uma juíza lembrou ontem que estamos acostumados a que os juízes tomem as decisões baseados em estereótipos sexistas e temos de conseguir as mudanças legislativas para que isto não volte a acontecer. Pelo menos conseguimos uma mudança de clima.

O ministro da Justiça já anunciou que vai ser analisada a tipificação penal da violação. É um primeiro passo?

É um passo importante. Existem todas as condições para que possa mudar a legislação. A pressão social está a funcionar. Perante os protestos sociais, as instituições tiveram de reagir. Estamos a trabalhar no Pacto de Estado contra a violência de género e na revisão vamos incluir propostas para alterar a lei.

O que pode acontecer agora?

Esta sentença vai ter recurso. A equipa de defesa da vítima e a procuradoria vão recorrer da sentença. Esperemos que na revisão tenham em conta tudo o que está a ser analisado e falado na sociedade.

Madrid

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.