Pentágono quer criar dois novos tipos de armas nucleares

Estratégia termina definitivamente com a política de redução deste tipo de armamento da era Obama

O Pentágono apresentou esta sexta-feira as linhas orientadoras da sua nova política nuclear, que inclui a proposta da criação de dois novos tipos de armas deste tipo no que representa o fim da tendência de redução de armamento que prevaleceu durante a presidência de Barack Obama.

Trata-se da primeira atualização da política para as armas nucleares realizada desde 2010. O secretário da Defesa, Jim Mattis, citado pelo Washington Post, descreveu-a como necessária para "olhar de frente a realidade" e "ver o mundo como ele é e não como gostaríamos que fosse".

Enquanto Barack Obama afirmara que os EUA tinham a "obrigação moral" de encabeçar o processo mundial de desnuclearização, o presidente Donald Trump assumiu desde o primeiro minuto que esta abordagem era irrealista.

Isso mesmo foi também, no início desta semana, a posição assumida pelo general da Força Aérea Paul J. Selva, que afirmou à imprensa: "Ao longo dos últimos anos, a Rússia e a China têm vindo a construir novos tipos e géneros de armas nucleares, tanto sistemas de lançamento como ogivas. Nós não o temos feito, o que significa que os arsenais nucleares russos e chineses têm na realidade ficado melhor do que o nosso".

Na nova proposta do Pentágono, inclui-se a criação de "armas nucleares de fraca energia" a serem colocadas em mísseis balísticos lançados a partir de submarinos.

Os críticos da proposta afirmam, entre outros argumentos, que a ideia de uma arma nuclear de "baixa potência" só faz aumentar a tentação de a utilizar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.