Pentágono quer criar dois novos tipos de armas nucleares

Estratégia termina definitivamente com a política de redução deste tipo de armamento da era Obama

O Pentágono apresentou esta sexta-feira as linhas orientadoras da sua nova política nuclear, que inclui a proposta da criação de dois novos tipos de armas deste tipo no que representa o fim da tendência de redução de armamento que prevaleceu durante a presidência de Barack Obama.

Trata-se da primeira atualização da política para as armas nucleares realizada desde 2010. O secretário da Defesa, Jim Mattis, citado pelo Washington Post, descreveu-a como necessária para "olhar de frente a realidade" e "ver o mundo como ele é e não como gostaríamos que fosse".

Enquanto Barack Obama afirmara que os EUA tinham a "obrigação moral" de encabeçar o processo mundial de desnuclearização, o presidente Donald Trump assumiu desde o primeiro minuto que esta abordagem era irrealista.

Isso mesmo foi também, no início desta semana, a posição assumida pelo general da Força Aérea Paul J. Selva, que afirmou à imprensa: "Ao longo dos últimos anos, a Rússia e a China têm vindo a construir novos tipos e géneros de armas nucleares, tanto sistemas de lançamento como ogivas. Nós não o temos feito, o que significa que os arsenais nucleares russos e chineses têm na realidade ficado melhor do que o nosso".

Na nova proposta do Pentágono, inclui-se a criação de "armas nucleares de fraca energia" a serem colocadas em mísseis balísticos lançados a partir de submarinos.

Os críticos da proposta afirmam, entre outros argumentos, que a ideia de uma arma nuclear de "baixa potência" só faz aumentar a tentação de a utilizar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.