Pelo menos quatro mortos na queda de um helicóptero militar no Afeganistão

Um helicóptero militar afegão, que transportava armas e munições, explodiu e incendiou-se durante uma "aterragem de emergência" no oeste do Afeganistão, causando a morte a pelo menos quatro pessoas, entre as quais o piloto, disseram hoje responsáveis regionais.

No decurso de um trajeto, iniciado na noite de sexta-feira, de Herat para a província vizinha de Farah, o aparelho teve "problemas técnicos", explicou à AFP Nasir Mehri, porta-voz do governador da província de Farah.

Numa mensagem à imprensa, enviada através da rede social WhatsApp, o porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid, afirmou que os combatentes tinham abatido "o helicóptero inimigo".

O número de quatro mortos foi confirmado pelo porta-voz da polícia na província de Farah, Mohibullah Mohib.

Num comunicado, o Ministério da Defesa anunciou serem cinco os mortos e indicou que uma equipa técnica foi enviada para o local para investigar o acidente.

Os talibãs intensificaram os ataques contra as forças de segurança, enquanto o Governo afegão e os EUA procuram convencê-los a sentarem-se à mesa das negociações para pôr fim a mais de 38 anos de guerra ininterrupta, desde a invasão soviética do Afeganistão, no final de 1979.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".