Pelo menos 17 mortos em explosões em oficinas de fogo artifício no México

Entre as vítimas mortais estão quatro bombeiros e dois agentes da polícia que se deslocaram ao local após a primeira explosão

Pelo menos 17 pessoas morreram esta quinta-feira em duas explosões num complexo de oficinas de fogo artifício em Tultepec, cidade localizada a norte da capital do México e muito reconhecida pela sua indústria de pirotecnia, informaram as autoridades locais. Há pelo menos 31 feridos.

"Dei instruções aos ministros estaduais do Interior e da Saúde para se deslocarem imediatamente ao local para prestar assistência às vítimas e às suas famílias", afirmou o governador do Estado do México, Alfredo del Mazo, citado num comunicado.

Na mesma nota informativa, o governador precisou que entre as vítimas mortais estão quatro bombeiros e dois agentes da polícia que se deslocaram ao local após a primeira explosão.

Os seis elementos acabariam por morrer no local na sequência de uma segunda explosão.

Segundo o jornal mexicano Reforma, o incêndio que deflagrou após as explosões estava já sob controlo.

Pelo menos quatro oficinas de engenhos pirotécnicos ficaram destruídas.

Os acidentes relacionados com a indústria de pirotecnia são frequentes no México, nomeadamente na cidade de Tultepec, localizada a cerca de 30 quilómetros da Cidade do México.

Em dezembro de 2016, uma explosão ocorrida num grande mercado de fogo de artifício fez 42 mortos e 70 feridos.

Mais recentemente, a 06 de junho, uma explosão, também ocorrida em Tultepec, matou sete pessoas e feriu outras oito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".