Pelo menos 13 pessoas morreram nos EUA devido à tempestade Florence

Dez pessoas morreram na Carolina do Norte. Outras três morreram na Carolina do Sul

Pelo menos 13 pessoas morreram na costa atlântica norte-americana com a passagem da tempestade Florence, que diminuiu este domingo de intensidade para uma depressão tropical, segundo a imprensa dos Estados Unidos.

Dos 13 mortos que compõem o balanço ainda provisório, dez pessoas morreram na Carolina do Norte e três outras na Carolina do Sul. O anterior balanço dava conta de oito mortos.

Os ventos fortes e a chuva intensa causaram danos significativos, com várias ruas a permanecerem cortadas por árvores caídas ou postes elétricos arrancados.

O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos baixou hoje de manhã a tempestade Florence para uma depressão tropical, sublinhando, contudo, que "inundações súbitas e grandes cheias continuarão a afetar uma parte muito significativa das duas Carolinas".

Hoje de manhã, pelas 05:00 locais (cerca das 10:00 em Lisboa), os ventos enfraqueceram para velocidades de 56 quilómetros por hora.

As autoridades encontram-se ainda a tentar ajudar habitantes que estão presos pelas inundações.

O furacão Florence, que inicialmente atingiu a costa sudeste dos Estados Unidos, foi perdendo intensidade, transformando-se em tempestade tropical e, hoje, em depressão tropical.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.