Paraíso grego de Hydra sem luz nem água

Restaurantes fechados, ruas às escuras, hotéis sem água nem comida. Para quem está a passar férias em Hydra, uma das mais bonitas ilhas gregas, este domingo foi um pesadelo.

Centenas de turistas furiosos convergiram para o pequeno porto de Hydra, tentando arranjar lugar no ferry para Atenas, depois de um corte de eletricidade, que a companhia responsável não está a conseguir resolver. Desde a manhã de sábado que não há luz e, em virtude da falta de eletricidade, a água canalizada acabou no domingo. Segundo o site alemão Stern, os gregos, "fartos de turistas", terão apelado ao governo para arranje barcos para levar os forasteiros para fora da ilha.

Espera-se a chegada de um barco da marinha grega com água, enquanto a empresa responsável pela eletricidade, que chega à ilha em cabos marinhos, tenta descobrir a avaria. "Ainda tivemos oito horas de reserva de eletricidade depois da falha ter ocorrido às 5.30 de sábado", afirmou o presidente da Câmara, Giorgos Koukoudakis, a um site noticioso grego. "A companhia de eletricidade disse que levaria apenas umas horas para resolver o problema mas não esclareceu qual o motivo da avaria."

A ilha, prossegue o autarca, "tem muitos visitantes neste momento e isto causa muito má impressão."

Conhecida pela proibição de automóveis e motos (motorizados, só os carros de lixo e dos bombeiros) e pela utilização de burros -- há uns 500 na ilha -- como meio de transporte privilegiado, a pequena ilha de Hydra, 52 quilómetros quadrados e menos de 2000 habitantes, fica a uma hora de barco de Atenas e é considerada uma das mais bonitas do país. Em 2007, um grupo de peritos da National Geographic proclamou-a a melhor e mais pitoresca da Grécia. Tem apenas uma povoação, junto ao porto, e vive sobretudo do turismo.

A sua beleza e tranquilidade atraiu notáveis como Leonard Cohen, que comprou ali uma casa nos anos sessenta; Henry Miller visitou-a em 1939 e descreveu-a num dos seus livros: "É quase uma rocha nua e a sua população, constituída quase exclusivamente por pescadores, está a desaparecer. A cidade, que rodeia o porto em anfiteatro, é imaculada. Só há duas cores, branco e azul, e o branco é repintado todos os dias, até ao chão de pedra das ruas. (...) Esteticamente é perfeita."

Outra famosa ilha grega, Mykonos, tem tido faltas de água este verão, e em Atenas, na semana passada, um corte de energia deixou a cidade sem semáforos e muita gente presa em elevadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."