Paraíso grego de Hydra sem luz nem água

Restaurantes fechados, ruas às escuras, hotéis sem água nem comida. Para quem está a passar férias em Hydra, uma das mais bonitas ilhas gregas, este domingo foi um pesadelo.

Centenas de turistas furiosos convergiram para o pequeno porto de Hydra, tentando arranjar lugar no ferry para Atenas, depois de um corte de eletricidade, que a companhia responsável não está a conseguir resolver. Desde a manhã de sábado que não há luz e, em virtude da falta de eletricidade, a água canalizada acabou no domingo. Segundo o site alemão Stern, os gregos, "fartos de turistas", terão apelado ao governo para arranje barcos para levar os forasteiros para fora da ilha.

Espera-se a chegada de um barco da marinha grega com água, enquanto a empresa responsável pela eletricidade, que chega à ilha em cabos marinhos, tenta descobrir a avaria. "Ainda tivemos oito horas de reserva de eletricidade depois da falha ter ocorrido às 5.30 de sábado", afirmou o presidente da Câmara, Giorgos Koukoudakis, a um site noticioso grego. "A companhia de eletricidade disse que levaria apenas umas horas para resolver o problema mas não esclareceu qual o motivo da avaria."

A ilha, prossegue o autarca, "tem muitos visitantes neste momento e isto causa muito má impressão."

Conhecida pela proibição de automóveis e motos (motorizados, só os carros de lixo e dos bombeiros) e pela utilização de burros -- há uns 500 na ilha -- como meio de transporte privilegiado, a pequena ilha de Hydra, 52 quilómetros quadrados e menos de 2000 habitantes, fica a uma hora de barco de Atenas e é considerada uma das mais bonitas do país. Em 2007, um grupo de peritos da National Geographic proclamou-a a melhor e mais pitoresca da Grécia. Tem apenas uma povoação, junto ao porto, e vive sobretudo do turismo.

A sua beleza e tranquilidade atraiu notáveis como Leonard Cohen, que comprou ali uma casa nos anos sessenta; Henry Miller visitou-a em 1939 e descreveu-a num dos seus livros: "É quase uma rocha nua e a sua população, constituída quase exclusivamente por pescadores, está a desaparecer. A cidade, que rodeia o porto em anfiteatro, é imaculada. Só há duas cores, branco e azul, e o branco é repintado todos os dias, até ao chão de pedra das ruas. (...) Esteticamente é perfeita."

Outra famosa ilha grega, Mykonos, tem tido faltas de água este verão, e em Atenas, na semana passada, um corte de energia deixou a cidade sem semáforos e muita gente presa em elevadores.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.