Papa Francisco: os construtores de muros vão ficar prisioneiros das suas próprias barreiras

Durante uma visita a Marrocos, o Papa deixou pediu mais humanidade no tratamento dos migrantes.

"Os construtores de muros, sejam eles de arame farpado ou tijolos, irão acabar por ficar prisioneiros dos muros que construíram", disse o Papa Francisco, deixando assim um aviso ao presidente Donald Trump e a outros líderes políticos que queiram construir um muro para manter os migrantes fora dos seus países.

De acordo com a Reuters, Francisco falava aos jornalistas a bordo do avião papal no domingo: "Percebo que perante este problema [da migração], um governo tem uma batata quente na mão, mas tem de resolvê-lo de uma maneira diferente, com humanidade, não com arame farpado", acrescentou o Papa, sem nunca se referir diretamente a Trump.

O Papa fez uma visita de dois dias a Marrocos e falou bastante sobre a questão da migração. "A questão da migração nunca será resolvida erguendo barreiras, fomentando o medo dos outros ou negando assistência àqueles que legitimamente aspiram a uma vida melhor para si e para as suas famílias."

Estas declarações do Papa surgem depois de a administração de Trump ter anunciado que vai cortar os apoios financeiros a El Salvador, Guatemala e Honduras como punição pelo facto dos governos destes países não terem contido as caravanas de migrantes que chegaram à fronteira do México. "Estávamos a pagar-lhes uma enorme quantidade de dinheiro e já não vamos pagar-lhes mais porque eles não fizeram nada por nós", declarou o presidente americano na sexta-feira.

Exclusivos