Papa doa 25 mil euros para apoiar pessoas afetadas pela fome

Francisco tinha-se comprometido a realizar uma doação "simbólica" à FAO

O papa Francisco fez uma doação simbólica de 25 mil euros à Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) para apoiar as pessoas afetadas pela fome na África Oriental, de acordo com um comunicado da organização.

De acordo com a mesma fonte, o pontífice, numa medida "sem precedentes", decidiu contribuir com um programa da agência que proporciona sementes às famílias rurais atingidas pelos conflitos e pela seca na região.

Francisco comprometeu-se no dia 03 de julho, numa mensagem à Conferência da FAO, a realizar uma doação "simbólica" com o objetivo de encorajar os governos a apoiar a resposta de emergência à crise alimentar, e atribuiu a fome no mundo à falta de uma cultura de solidariedade, assim como à "inércia de muitos" e ao "egoísmo de alguns".

Em fevereiro foi declarada fome em algumas zonas do Sudão do Sul e, embora a situação tenha melhorado devido às respostas humanitárias, cerca de seis milhões de pessoas lutam pela alimentação todos os dias neste país em guerra.

O número de pessoas que precisam de ajuda humanitária aumentou cerca de 30 por cento desde finais de 2016 e atinge 16 milhões na Somália, na Etiópia, no Quénia, na Tanzânia e no Uganda, principalmente pelo efeito da seca.

A FAO calcula que a fome voltou a aumentar para mais de 800 milhões de pessoas em todo o mundo, o que complica o objetivo a que a comunidade internacional se propôs de erradicar este flagelo até 2030.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.