Papa doa 25 mil euros para apoiar pessoas afetadas pela fome

Francisco tinha-se comprometido a realizar uma doação "simbólica" à FAO

O papa Francisco fez uma doação simbólica de 25 mil euros à Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) para apoiar as pessoas afetadas pela fome na África Oriental, de acordo com um comunicado da organização.

De acordo com a mesma fonte, o pontífice, numa medida "sem precedentes", decidiu contribuir com um programa da agência que proporciona sementes às famílias rurais atingidas pelos conflitos e pela seca na região.

Francisco comprometeu-se no dia 03 de julho, numa mensagem à Conferência da FAO, a realizar uma doação "simbólica" com o objetivo de encorajar os governos a apoiar a resposta de emergência à crise alimentar, e atribuiu a fome no mundo à falta de uma cultura de solidariedade, assim como à "inércia de muitos" e ao "egoísmo de alguns".

Em fevereiro foi declarada fome em algumas zonas do Sudão do Sul e, embora a situação tenha melhorado devido às respostas humanitárias, cerca de seis milhões de pessoas lutam pela alimentação todos os dias neste país em guerra.

O número de pessoas que precisam de ajuda humanitária aumentou cerca de 30 por cento desde finais de 2016 e atinge 16 milhões na Somália, na Etiópia, no Quénia, na Tanzânia e no Uganda, principalmente pelo efeito da seca.

A FAO calcula que a fome voltou a aumentar para mais de 800 milhões de pessoas em todo o mundo, o que complica o objetivo a que a comunidade internacional se propôs de erradicar este flagelo até 2030.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.