Papa convoca oração e jejum mundial pela paz a 23 de fevereiro

Francisco convidou outras confissões religiosas a juntarem-se aos católicos

O papa convocou uma jornada mundial de oração e jejum pela paz para 23 de fevereiro, dedicada em especial ao fim da violência na República Democrática do Congo e no Sudão do Sul.

"Perante o trágico arrastamento de situações de conflito em diversas partes do mundo, convido todos os fiéis para uma jornada especial de oração e jejum pela paz, a 23 de fevereiro, sexta-feira da primeira semana da Quaresma", anunciou o papa Francisco.

A convocatória foi lançada hoje depois da oração do Angelus, tendo o papa convidado outras confissões religiosas a juntarem-se aos cristãos nesta oração mundial pela paz.

"Como noutras ocasiões similares, convido os irmãos e irmãs não-católicos e não-cristãos a associarem-se a esta iniciativa, das formas que julgarem mais oportunas, mas todos juntos", acrescentou.

O papa adiantou ainda que o momento será mais do que uma oração, será a oportunidade de cada um dizer "não à violência" considerando que as vitórias obtidas com a violência são falsas vitórias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.