Ossufo Momade garante que Renamo pretende honrar acordos negociados com Nyusi

Coordenador da comissão política da Renamo anunciou funeral de Afonso Dhlakama para quarta-feira

A Renamo pretende honrar os acordos que foram negociados entre o seu falecido líder e o presidente moçambicano, anunciou ontem a comissão política nacional do partido.

"Nós vamos dar honra e dignidade ao trabalho que ele [Afonso Dhlakama] iniciou", afirmou Ossufo Momade, coordenador do órgão nacional, numa conferência de imprensa na Beira. O tenente-coronel Momade foi escolhido para o cargo por unanimidade, na sexta-feira, durante a primeira reunião da estrutura após a morte de Dhlakama, na quinta-feira.

"Não vamos fazer outra coisa além daquilo que ele já havia iniciado e esse trabalho já está na Assembleia da República", onde os deputados da Renamo "vão poder decidir" o destino das matérias, acrescentou, respondendo aos jornalistas acerca das dúvidas levantadas pela opinião pública e por comentadores sobre o desfecho do processo, tendo em conta que Dhlakama morreu antes do final das negociações com o presidente Filipe Nyusi.

O líder da oposição e o presidente de Moçambique já tinham divulgado, em fevereiro, um acordo acerca da descentralização do poder permitindo a eleição de autoridades regionais e locais.

A proposta de alteração constitucional para acomodar o acordo, a tempo das eleições autárquicas de 10 de outubro, encontra-se em discussão na Assembleia da República.

Ficou por anunciar antes da morte de Dhlakama um outro entendimento relativo à desmilitarização, desmobilização e reintegração do braço armado da Renamo.

Um novo acordo para a paz em Moçambique depende dos dois dossiês, conforme foram anunciando Filipe Nyusi e o líder da oposição, nos últimos meses, num tom geralmente otimista sobre o decorrer das negociações.

Dhlakama morreu na quinta-feira pelas 08.00, aos 65 anos, na serra da Gorongosa, devido a complicações de saúde.
Nyusi referiu à Televisão de Moçambique que foram feitas tentativas para o transferir por via aérea para receber assistência médica no estrangeiro, mas sem sucesso.

Fontes partidárias contaram à Lusa que o presidente do principal partido da oposição moçambicana morreu quando um helicóptero já tinha aterrado nas imediações da residência, na Gorongosa, mas não conseguiu transferi-lo.

As cerimónias fúnebres do presidente da Renamo vão decorrer na quarta-feira, a partir das 08.00, no campo desportivo do Ferroviário da Beira, anunciou ontem a comissão política nacional do partido. Na quinta-feira será realizado o funeral pela família em Mangunde, distrito de Chibabava, no interior de Sofala, terra natal de Dhlakama.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.