Ossos de porcos vêm resolver um dos maiores enigmas da pré-História britânica

Estudo publicado na revista científica Science Advances vem demonstrar "uma escala de movimento e nível de complexidade social que não era previamente apreciada".

Ossos e restos mortais de 131 porcos, descobertos em quatro complexos neolíticos na região de monumentos como Stonehenge e Avebury, provam que pessoas de toda a Grã-Bretanha se reuniam nesses locais para realizar cerimónias, na pré-Histórica.

A investigação, conduzida por Richard Madgwick e publicada esta quarta-feira na revista científica Science Advances, revela uma nova extensão dos movimentos populacionais na pré-história britânica.

O estudo resolve um dos maiores enigmas na pré-história britânica, ao revelar a larga escala dos movimentos das comunidades humanas na Grã-Bretanha durante o período Neolítico, último período da Idade da Pedra, marcado historicamente pelo início da sedentarização e pelo surgimento da agricultura.

O líder da investigação explicou: "Este estudo demonstra uma escala de movimento e nível de complexidade social que não era previamente apreciada".

"Estas reuniões podem ser vistas como os primeiros eventos que uniam culturalmente a nossa ilha, com pessoas de todos os cantos da Grã-Bretanha vindo para a região de Stonehenge para banquetear a comida que tinham transportado das suas casas."

Através de uma análise de isótopos, que identificou os sinais químicos da comida e água que os animais tinham consumido, os investigadores foram capazes de determinar as áreas geográficas de onde tinham sido criados. A investigação representa o olhar mais detalhado até à data, do nível de mobilidade por toda a Grã-Bretanha no tempo do Stonehenge.

O trabalho conduzido por Mdagwick, teve a colaboração de colegas da Universidade de Cardiff, assim como cientistas da Universidade de Sheffield e da University College, de Londres. O estudo "Multi-Isotope analysis reveals that feasts in the Stonehenge environs and across Wessex drew people and animals from throughout Britain" foi financiado pela Academia Britânica.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.