"Os líderes europeus e o Sr. Trump vão trabalhar em conjunto porque têm de trabalhar em conjunto"

Peter Chase, membro do German Marshall Fund dos EUA, afirma, em entrevista ao DN, que é preciso criar empregos e promover o investimento para travar os movimentos populistas na Europa.

O Brexit na Grã Bretanha e a eleição de Donald Trump nos EUA são sintoma de descontentamentos comparáveis?

Não creio serem as mesmas razões que estiveram na base do Bexit e da eleiçao de Trump, mas há claramente várias semelhanças. Há duas comunidades que esperam que os seus governos fizessem coisas que não fizeram e queriam um sentido de futuro. E isto jogou nas duas eleições. Precisamos de estudos, mas creio que muitas pessoas votaram onde não votavam tradicionalmente. O Brexit e o sr. Trump ganharam em parte com o voto de pessoas que se envolvem no processo democrático como não o faziam há muito tempo. Mas a especificidade dessas duas vitórias é diferente. A discussão sobre a relação entre a União Europeia e a Grã Bretanha dura muito tempo.

E o crescimento dos movimentos populares na Europa após a eleição de Donald Trump poderá ser travado?

Nesse aspeto o senhor Juncker estava certo quando disse que é preciso criar empregos e promover o crescimento. As pessoas precisam de ter uma perspetiva de futuro.

Estímulo ao crescimento através de investimento público na UE?

A União Europeia não tem recursos para os Estados gastarem. Muitos Estados não têm recursos para os governos gastarem. Então a questão que têm de responder é como fazer o para fazer crescer o investimento privado. É aqui que se joga o papel da UE na criação de um ambiente para o negócio, mas há muitas medidas que os governos nacionais têm de tomar. Penso que quando se olha para o debate europeu tem de haver um alinhamento maior entre a responsabilidade e a autoridade. A UE tem sido responsável por muitas coisas sobre as quais não tem autoridade e os governos nacionais estão a escapar às suas responsabilidades sobre coisas em que têm autoridade. Os governo devem e podem gastar mais, mas gastar mais não é a resposta, a resposta está no setor privado gastar mais. Isto é mais sustentável a longo prazo.

As relações entre a UE e futura administração americana irão deteriorar-se?

Os líderes europeus e o senhor Trump vão trabalhar em conjunto porque têm de trabalhar em conjunto. Por muitas razões Haverá muitas diferenças - por exemplo no que diz respeito às alterações climatéricas. É possível que uma grande parte dos cidadãos europeus tenha problemas com as políticas do senhor Trump, mas no futuro poderão vir a ter uma visão mais positiva das suas políticas.

Em Bruxelas

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.